Não foi desta vez! Justiça paraguaia mantém prisão preventiva dos irmãos "Assis Moreira" em presídio de segurança máxima - os dois são acusados de ingressarem no país com passaportes falsos.

Os advogados de Ronaldinho e Roberto Assis tentaram através da justiça do país vizinho um acordo para que os dois pudessem ao menos serem mantidos presos em regime domiciliar, no entanto, o pedido foi negado. O juiz que cuida do caso não aceitou nesta manhã de terça-feira a argumentação da defesa dos ex-jogadores de futebol detidos preventivamente em Assunção.

"Se mantém a medida cautelar de prisão na Agrupación Especializada. A investigação tem menos de uma semana. E está ficando claro o tamanho deste caso, com novas revelações. É de responsabilidade minha, no poder judicial, garantir a continuidade dessa investigação. Não podemos correr o risco de essa investigação acabar por causa de uma fuga ou de uma saída do Paraguai", declarou o Juiz - Gustavo Amarilla.

Imagens da audiência que tratou sobre o caso, nesta manhã de terça-feira. Os detentos não estiveram presentes.
Imagens da audiência que tratou sobre o caso, nesta manhã de terça-feira. Os detentos não estiveram presentes.

Ronaldo Gaúcho e Roberto Assis estão detidos no Paraguai desde a última sexta-feira, quando tentaram ingressar no país munido de passaporte falsos. Os irmãos foram alvos de investigação por apresentarem documentos falsos e carteiras de identidades adulteradas na chegada a Assunção - capital do país em questão.

Os dois estão presos na penitenciária Agrupación Especializada da Polícia Nacional, em Assunção - no Paraguai. Instalação essa que era anteriormente utilizada por presos comuns, mas que passou a receber apenas presos de maior relevância.

Vale lembrar que no último sábado, os advogados de defesa dos ex-jogadores, assim como o empresário de Ronaldinho, tentam tirá-los do presídio, mas sem sucesso até agora.