Federação Alemã de Futebol é alvo de busca por evasão fiscal. Segundo os promotores, seis dirigentes que tiveram seus nomes mantidos em sigilo, são suspeitos de terem declarado falsamente receitas de publicidades em estádios de futebol durante partidas da seleção entre os anos de 2014 a 2015 como receitas de gestão de ativos, recebendo assim 4,7 milhões de euros em impostos não declarados.

Com isso, promotores e autoridades fiscais do país em questão vasculharam escritórios da DFB - Federação Alemã de Futebol e casas de antigos e atuais dirigentes que estariam envolvidos na sonegação de impostos; segundo nota publicada pela promotoria de Frankfurt nesta quarta-feira.

Ainda de acordo com essa, a DFB não paga qualquer receita de gestão de ativos, porém, é obrigada a fazê-lo sobre os ganhos de atividades comerciais.

Fritz Keller - presidente da Federação Alemã de Futebol revelou nesta quarta-feira que irá apoiar totalmente a investigação que está em andamento.

"Sou totalmente a favor de lançar luz sobre isso para que o futebol tenha um futuro limpo. Defendi abertura e transparência, portanto, o apoio do estado a uma investigação só poder ser bem-vindo", declarou ele entrevista.

Já a Promotoria Alemã declarou em nota o seguinte sobre o caso:

"Com base nas investigações até agora há a suspeita de que os acusados sabiam da incorreção do imposto, mas escolheram conscientemente para dar a DFB uma grande vantagem fiscal".

Vale ressaltar que cerca de 200 autoridades federais foram mobilizadas para as buscas e apreensões que ocorreram em diversos locais nos cinco estados do país.