Detidos desde o começo de março deste ano no Paraguai, Ronaldinho Gaúcho e seu irmão - Roberto Assis poderão nesta segunda-feira receber uma boa notícia; a informação de que poderão enfim deixar o Paraguai e retornar o Brasil.

Essa mesma deverá ocorrer após uma audiência judicial marcada para as 15h (de Brasília) e que deverá resultar na liberação dos brasileiros que estão sendo acusados de entrar no país vizinho com passaportes falsificados.

Sem novas acusações por parte do Ministério Público do Paraguai, os promotores em questão ofereceram aos dois brasileiros detidos no país a suspensão condicional do processo, mediante o pagamente de uma multa no valor de US$ 110 mil (Roberto Assis) e US$ 90 mil (Ronaldinho Gaúcho).

Além do pagamento desta multa, os dois terão que se apresentar a cada três meses às autoridades civis do Paraguai com uma autoridade brasileira para acompanhar o andamento do processo. Para Ronaldinho - isso deverá durar um ano; já para seu irmão, a "pena" será de dois anos.

Relembre o caso

Ronaldinho Gaúcho e seu irmão foram presos no dia 06 de março em Assunção - Paraguai, acusados de ingressarem o país portando documentos falsos. No entanto, o MP do Paraguai solicitou a Justiça a prisão preventiva dos irmãos para que outros crimes pudessem ser averiguados. Depois de cinco meses de investigação, nada foi encontrado de irregular contra os brasileiros além do crime dos passaportes, punido com multa.

No entanto, os passaportes falsos recebidos pelos dois do empresário Wilmondes Souza Lira - que também fora preso no Paraguai, resultou na prisão de diversos agentes públicos paraguaios envolvidos em um esquema de falsificação de documentos e evasão de divisas.