Globo pede rescisão de contrato por transmissão da Libertadores da América à Conmebol. Através de uma carta enviada para a entidade máxima do futebol sul-americano, a emissora brasileira em seu pedido alegou "um cenário extremamente desafiador provocado pela crise econômica e potencializado pela pandemia de Coronavírus".

Se não bastasse isso, a Globo ainda justifica o seu pedido com relação à desvalorização cambial - uma vez que o acordo entre as partes é firmado na moeda norte-americana (dólar).

A competição que retornará ao cenário futebolístico a partir do dia 15 de setembro, poderá a partir de então não contar mais com as transmissões da "poderosa" emissora brasileira - que seguirá negociando com a Conmebol até lá.

Vale lembrar que a Rede Globo tentou negociar o contrato de transmissão anteriormente - que é válido até 2022, no entanto, não conseguiu um acordo com a Conmebol. O valor pago pela emissora para as transmissões dos jogos da Libertadores é de US$ 65 milhões por ano - aqui entenda canal aberto e fechado, ou seja, TV Globo e SporTV.

Globo e sua vinheta para a transmissão da Libertadores - imagem: Rede Globo
Globo e sua vinheta para a transmissão da Libertadores - imagem: Rede Globo

Com a alta do dólar e com a crise financeira também atingindo a emissora em questão - ainda mais após o novo governo federal assumir a presidência e cortar "certos" privilégios que essa tinha em outros governos (vendas de publicidades e propagandas), essa se vê atualmente em dificuldades para poder cumprir com certos acordos firmados anteriormente, ainda mais com a moeda norte-americana hoje valendo mais de R$ 5,00 - o que aumentou em quase R$ 100 milhões por ano o valor do acordo firmado entre a Globo e a Conmebol.

Na carta enviada à entidade máxima do futebol na América do Sul, ela se utilizada de uma cláusula "por paralisação prolongada das competições" para pedir a rescisão de contrato, onde descreve o seguinte:

"... Por fim, é importante esclarecer que havia no contrato cláusula específica de rescisão em caso de suspensão da competição por períodos prolongados, por motivos de força maior".