O dia 27 de fevereiro ficará marcado como um dos dias mais tristes da história do futebol brasileiro. No fim da manhã, foi confirmada a morte do ex-técnico e ídolo de Grêmio e Botafogo, Valdir Espinosa. Submetido uma cirurgia no abdômen no último dia 17, ele foi internado novamente no dia 20, mas não se recuperou. Valdir ocupava o cargo de diretor de gerente de futebol do Botafogo, clube com qual tinha grande identificação pela conquista do Campeonato Carioca de 1989. O clube carioca comunicou que o velório será realizado ainda nesta quinta-feira, das 15h às 22h, o Salão Nobre da sede do clube de General Severiano.

Nascido em Porto Alegre, Espinosa começou sua carreira no futebol profissional como jogador do Grêmio. Como atleta, atuou por oito anos, passando por CSA, Esportivo e Caxias. Se aposentou em 1978 e no ano seguinte já iniciou no cargo de treinador do Esportivo, de Bento Gonçalves.

Valdir Espinosa faleceu aos 72 anos de idade. (Foto:Divulgação)
Valdir Espinosa faleceu aos 72 anos de idade. (Foto:Divulgação)

Em 1983, atingiu o seu auge, levando o Grêmio ao título da Copa Libertadores da América e do Campeonato Mundial. Na época, o time contava com jogadores como Renato Gaúcho, De León, Paulo César e Mário Sérgio. Já em 1989, aceitou o convite do Botafogo, e tirou o clube do jejum de 20 anos sem conquistar o campeonato estadual. Com um gol de Maurício na final contra o Flamengo, o time celebrou o título invicto da competição e criou mais um momento histórico para a carreira do treinador.

Depois disso, Espinosa rodou o Brasil como treinador, e teve experiências internacionais. Trabalhou no Cerro Porteño, do Paraguai, no Al-Hilal, da Arábia Saudita, além do Tokyo Verdy, do Japão. Além disso, teve uma passagem pelo Las Vegas City.