FIFA bane do futebol três condenados no maior caso de corrupção no futebol

Vale ressaltar que representantes do futebol da América do Sul, bem como o ex-presidente da Conmebol e da CBF, também estão envolvidos nesse caso

Por
Compartilhe

Três dirigentes condenados por corrupção no futebol pelo Departamento de Justiça dos Estados Unidos foram banidos do futebol pelo Comitê de Ética da FIFA, nesta quarta-feira. Além de serem obrigados a pagarem uma multa de 1 milhão de francos suíços.

Aaron Davidson, Costa Takkas e Miguel Trujillo são agora proibidos de exercerem qualquer cargo relacionado ao futebol. Aaron Davison é ex-executivo de marketing da FIFA e foi um dos primeiros a serem condenados no escândalo que teve início com a prisão de sete cartolas da entidade em Zurique, no ano de 2015.

Entidade da FIFA em Zurique, na Suíça, onde três ex-dirigentes do futebol foram expulsos do futebol.Entidade da FIFA em Zurique, na Suíça, onde três ex-dirigentes do futebol foram expulsos do futebol.

Costa Takkas – britânico, é ex-assessor do ex-vice-presidente da entidade máxima do futebol mundial – Jeffrey Webb e também ex-funcionário da Concacaf – ele foi condenado a 15 meses de prisão e corre ainda o risco de ser deportado. Já Miguel Trujillo, foi agente de futebol (empresário) e também proprietário de empresas de consultoria esportiva.

Vale ressaltar que representantes do futebol da América do Sul, bem como o ex-presidente da Conmebol e da CBF, também estão envolvidos nesse caso – o paraguaio Juan Ángel Napout foi condenado no último mês a nove anos de prisão nos Estados Unidos por conta do seu envolvimento no escândalo de corrupção no futebol mundial, também conhecido pelo caso “Fifagate”.

José Maria Marin - ex-presidente da CBF. (direita)José Maria Marin - ex-presidente da CBF. (direita)

Além de Juan Ángel Napout, o ex-presidente da CBF – José Maria Marin também foi condenado a quatro anos de prisão pelo seu crime cometido na época. Além da prisão, Marin ainda terá que pagar uma multa de US$4,5 milhões.

Mais sobre: fifa justica corrupcao
Comentários