CIES Football Observatory coloca o City como o maior comprador da década

Desde 2010, sete clubes superam fácil a barreira do “bilhão” com reforços, são eles: City, Chelsea, Barcelona, Paris Saint-Germain, United, Juventus e Liverpool.

Por
Compartilhe

Um estudo do CIES Football Observatory coloca o Manchester City como o maior comprador da década – o Chelsea e o Barcelona vem logo na sequência. O levantamento analisou todas as transações do mercado nas cinco maiores ligas (Inglaterra, Espanha, Itália, Alemanha e França) desde 2010.

Relatório divulgado pelo CIES Football Observatory.Relatório divulgado pelo CIES Football Observatory.

De acordo com o estudo publicado pela entidade nesta quarta-feira, o Manchester City do treinador – Pep Guardiola investiu neste período um valor de 1,4 bilhões de euros, algo muito próximo a R$ 6,70 bilhões. Em quanto o City foi o clube que mais gastou, o Monaco foi o que mais recebeu dinheiro com reforços desde então: 950 milhões de euros ou R$ 4,55 bilhões.

Só neste período, sete clubes superam fácil a barreira do “bilhão” com reforços, são eles: Chelsea, Barcelona, Paris Saint-Germain, Manchester United, Juventus e Liverpool – além claro, o Manchester City. Já o Real Madrid aparece apenas na oitava colocação, com 912 milhões de euros investidos desde 2010.

Na outra via, o CIES também publicou uma lista dos clubes que mais ganharam com as transferências no mesmo período e o Monaco é que mais perto da marca do “bilhão” chegou, com 950 milhões de euros, seguido por Liverpool, Roma, Barcelona, Real Madrid, Chelsea e Juventus.

Abaixo confira o TOP 10 dos clubes que mais prejuízo tiveram nesses oito anos:

1º - Manchester City – 1,032 bilhões de euros;

2º - PSG – 874 milhões de euros;

3º - Manchester United – 772 milhões de euros;

4º - Barcelona – 599 milhões de euros;

5º - Chelsea – 538 milhões de euros;

6º - Juventus – 409 milhões de euros;

7º - Liverpool – 328 milhões de euros;

8º - Milan – 296 milhões de euros;

9º - Arsenal – 286 milhões de euros;

10º - Real Madrid – 260 milhões de euros.

Comentários