Foi mais não foi! Horas depois de liberar a presença de público nos estádios do Rio de Janeiro, o prefeito da "Cidade Maravilhosa" - Eduardo Paes voltou atrás da decisão e revogou a medida publicada nesta quarta-feira, que permitia o retorno dos torcedores aos estádios de futebol.

Segundo a resolução assinada em conjunto pelas Secretarias de Saúde do estado e do município, a quantidade de torcedores em cada estádio dependeria da classificação de risco para a COVID-19, mas por ser "quase impossível" de fiscalizar, o prefeito voltou atrás da decisão horas antes tomada em conformidade a liberação desses espaços ao público.

Veja o que o próprio Eduardo Paes publicou no Twitter para falar a respeito do assunto:

"A decisão de liberar os estádios com uma ocupação mínima de 1/10 está correta tecnicamente de acordo com nossa secretaria de saúde. No entanto, obviamente trata-se de medida quase impossível de ser fiscalizada. A medida será revogada".

Veja como funcionaria essa volta aos estádios no Rio de Janeiro

  • Risco Moderado: Se a região tivesse em "risco moderado", as arquibancadas poderiam receber 20% da capacidade e manter o afastamento de dois metros entre um torcedor e outro.
  • Risco Alto: Se o risco fosse maior, somente 10% seriam liberados dos espaços nas arquibancadas, com um distanciamento de três metros entre cada torcedor.
  • Risco Muito Alto: Sem torcedores.

Final da Libertadores sem torcedores

Vale aqui salientar que a Conmebol já decidiu pela não presença dos torcedores na grande decisão dos Libertadores 2020, que será realizada no próximo dia 30 deste mês, no Maracanã; a mesma serão realizada com portões fechados aos torcedores das equipes finalistas.

A final da Libertadores 2020 será disputada entre Palmeiras e o time classificado entre Boca Juniors e Santos, que definem o classificado nesta quarta-feira, na Vila Belmiro, a partir das 19h15 (de Brasília).

Rio de Janeiro e o número da COVID-19

O painel da COVID-19 registrado nesta manhã de quarta-feira apontava para 15.664 mortos na cidade do Rio de Janeiro, com 175 mil casos registrados. Em todo estado, já foram mais de 27 mil mortes, com 465 mil casos. De acordo com o último boletim da pandemia no estado, as mortes por COVID-19 na região estão com uma alta de 115%.