MP de SP toma decisão sobre torcedor do Flamengo preso pela morte de Gabriela Anelli

A torcedora do Palmeiras faleceu no último sábado (8). O caso do torcedor do Flamengo preso sob a suspeita do crime sofreu uma reviravolta

No último sábado (8), o futebol brasileiro ficou marcado por uma tragédia. Isso porque uma torcedora do Palmeiras morreu nos entornos do Allianz Parque antes da partida contra o Flamengo, pelo Brasileirão.

Gabriela Anelli Marchiano tinha 23 anos e estava na fila para entrar no estádio por volta das 18h. Nesse momento, uma confusão entre as torcidas do Verdão e do Rubro-Negro se instaurou nos arredores do Allianz Parque.

Uma garrafa long neck foi arremessada em direção à torcida do Palmeiras, sendo que os estilhaços do vidro acabaram acertando Gabriela na região do pescoço. Ela chegou a ser socorrida e levada à Santa Casa de São Paulo.

Contudo, a palmeirense faleceu na última segunda-feira (10). Gabriela Anelli se tornou a 7ª vítima fatal em decorrência de brigas no futebol brasileiro. A polícia manteve um torcedor do Flamengo preso sob a suspeita de matar a jovem de 23 anos.

Nesta quarta-feira (12), o Ministério Público de São Paulo (MP-SP) tomou uma decisão sobre o torcedor do Flamengo preso pela morte de Gabriela.

Quem é o torcedor do Flamengo preso por suspeita de matar palmeirense?

O torcedor do Flamengo preso por suspeita de matar a palmeirense é Felipe Xavier Santiago. O homem de 26 anos é em-membro de uma torcida organizada do Rubro-Negro, a Fla Manguaça.

Felipe foi detido e indiciado pela Polícia Civil de São Paulo por homicídio doloso consumado no sábado (8). Agora, o MP-SP pediu a liberdade do torcedor do Flamengo preso pela morte de Gabriela Anelli.

Segundo o promotor Rogério Leão Zagallo, as provas não cravam que o homem jogou a garrafa de vidro que atingiu e matou a palmeirense. Ele defendeu que o objeto foi lançado por um torcedor barbado e que vestia a camisa cinza.

Outro pedido de Leão à Justiça alega que a Delegacia de Repressão aos Delitos de Intolerância Esportiva (Drade) perdeu a credibilidade para seguir frente ao caso. Por isso, solicitou que a investigação fique a cargo do Departamento de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP), também da Polícia Civil de SP.

Além do torcedor do Flamengo preso pela morte de Gabriella Anelli, a Polícia Civil investiga ao menos 10 pessoas que jogaram garrafas na confusão entre as torcidas.

Matheus CristianiniMatheus Cristianini

Jornalista de 23 anos formado pela Universidade Estadual Paulista (UNESP). Passagens por Rádio Unesp FM, Antenados no Futebol e Bolavip Brasil. Apaixonado por tudo o que envolve o futebol. Tanto dentro, quanto fora das quatro linhas.