Lewis Hamilton é dúvida para o GP do Canadá de Fórmula 1

Antes de mais nada, aconteceu neste último domingo (12) o GP do Azerbaijão de Fórmula 1. E o desempenho da Mercedes na corrida foi acima do esperado, com George Russell em 3º e Lewis Hamilton em 4º. Contudo, o resultado de corrida da escuderia alemã poderia ter sido ainda melhor, se não tivesse ocorrido o porpoising (os famosos quiques do carro de Fórmula 1).

E estes quiques do carro da Mercedes fizeram com que o heptacampeão Lewis Hamilton reclamasse, ainda durante a corrida, de suas costas estarem doendo muito. E ao fim da prova, Hamilton teve muitas dificuldades de sair do carro, sempre levando a mão nas costas.

A situação de Hamilton com o carro foi bem complicada e a equipe com certeza teria que arrumá-lo. Contudo, o próprio heptacampeão passou a ser dúvida para o GP do Canadá de Fórmula 1. Já que existe a preocupação com a saúde de Lewis Hamilton, como declarou Toto Wolff, chefe da equipe:

Eu ainda não vi ele e não conversamos. Mas dá pra ver que não são dores musculares. Isso afeta diretamente a espinha, e pode ter consequências. A solução pode ser ter alguém na reserva, o que já temos a cada corrida, para garantir que tenhamos os dois carros na prova

O que é o Porpoising?

Em suma, nas últimas duas corridas (Mônaco e Azerbaijão), o problema do porpoising foi agravado pelas características das pistas. Já que são circuitos de rua, ou seja, irregulares e que fazem com que o carro bata mais no chão.

Vale lembrar que o porpoising acontece devido a variação da pressão aerodinâmica do carro. Que por sua vez, esta variação é consequência do retorno do “efeito solo” (é um efeito aerodinâmico onde o escoamento de ar ao redor do carro é interrompido pelo solo) para a Fórmula 1 em 2022.

A saber, a Mercedes foi a equipe que mais sofreu com este efeito de quique. Um dos motivos pelo qual a escuderia alemã que vinha dominando a Fórmula 1 desde 2014 ter perdido tanto desempenho. Entretanto, parecia que a equipe havia resolvido este problema no GP da Espanha. Não foi o caso. Já que o porpoising voltou a aparecer em Mônaco e com força total no Azerbaijão.

Efeitos do Porpoising para os pilotos da Fórmula 1

Vale lembrar que Hamilton já havia reclamado muito de dores devido aos quiques do carro na classificação de sábado (11). Então, o heptacampeão já não estava 100%. E após a corrida de domingo (12), o mundo viu a dificuldade de Hamilton de sair do carro. Portanto, não será surpresa se o piloto reserva da Mercedes, Nyck De Vries, assumir o carro no Canadá. Principalmente, pois a corrida já é no próximo fim de semana.

No GP da Emilia-Romagna, em Abril, George Russell também chegou a reclamar de fortes dores no peito e nas costas após a corrida, devido aos quiques do carro da Mercedes. Além disso, o mesmo já havia alertado sobre os prejuízos para os pilotos da Fórmula 1 num longo prazo:

“Fiquei satisfeito quando a corrida terminou, porque estávamos esmagando o chão em cada curva, cada volta. Fazer isso por 1h30 é brutal, então dormirei tranquilo essa noite. Só temos que lidar com isso. Como os pilotos aceitam, não haverá mudanças em curto prazo, mas tem conversas sobre o futuro desses regulamentos.”

Foto destaque: Bryn Lennon/Formula 1

 

Comentários

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.