Gui Santos humilha ‘queridinho’ do Draft na Summer League

Gui Santos, de apenas 21 anos segue encantando pelo Golden State Warriors. O ala é o 16º brasileiro escolhido pelo Draft da NBA e foi a 55ª escolha no Draft de 2022. Desde então o jogador vem atuando pelo Santa Cruz Warriors, equipe afiliada pelo Golden Sate, mas nesta semana fez sua estreia na mesma equipe de Stephen Curry e companhia.

O primeiro duelo contra o Sacramento Kings, apesar de não ter saído com a vitória, já lhe rendeu muitos elogios pela sua performance. O brasileiro somou 19 pontos, cinco rebotes e três assistências. Além disso, o ala foi titular no duelo que marcou sua estreia com a camisa azul e amarelo. Assim como no Santa Cruz Warriors, Gui Santos é o camisa 15 pelo Golden State jogando na Summer League.

Veja também

+URGENTE! Márcio Santos garante participação na Summer League após Draft da NBA

Gui Santos humilha ‘queridinho' do Draft na Summer League

Nesta quarta-feira (5), Gui Santos jogou mais uma partida com o Warriors contra o Charlotte Hornets, onde anotou 18 pontos, cinco rebotes, que converteu sete arremessos de nove tentativas. Isso não foi o suficiente para o brasileiro, que fez uma jogada nível de NBA para cima de Brandon Miller, um dos principais talentos desejados pelas franquias no Draft 2023.

No caso, ele foi a segunda escolha da seleção, sendo escolhido pelo Charlotte Hornets, franquia que até pouco atrás pertencia a Michael Jordan. A sua estreia pela equipe, foi diante do San Antonio Spurs, mas perderam por 98 x 77, em um duelo totalmente dominado pelo adversário. Apesar do que pareceu um nervosismo nos primeiros quartos, o último tempo rendeu para Miller, que fechou sua primeira partida com 18 pontos e cinco rebotes.

Contra o Golden State Warriors, Brandon Miller teve uma atuação apagada, somando apenas seis pontos, quatro rebotes e sete assistências. Defensivamente, o ala-armador cometeu oito faltas.

Carolina Castro Carolina Castro

Tenho 25 anos e sou formada em jornalismo. Desde criança desenvolvi o gosto por esporte e por isso escolhi ser jornalista. Foi a profissão que me deixou mais próxima daquilo que mais amo: falar e escrever sobre esporte.