Como já escrevemos aqui mesmo neste site, a partir da temporada 2022 da Fórmula 1, com início marcado para março, a escuderia Ferrari irá utilizar o etanol de 2ª geração como combustível de seus carros; na composição com a gasolina.

O etanol ou o biocombustível será produzido em parceria com a Shell e a distribuidora brasileira - Raízen.

Em entrevista recente, o vice-presidente executivo de operação de etanol, açúcar e bioenergia da Raízen - Francis Vernon Queen comentou sobre a parceria com a Shell, que por sua vez tem parceria com a escuderia italiana desde 1950.

Sendo assim, a Ferrari será a primeira equipe da F1 a usar o etanol celulose ou também chamado de 2ª geração, donde Queen disse que o produto a ser utilizado pela escuderia, nada mais é que o etanol comum, com uma diferença, uma vez que ele é produzido do bagaço da cana e do produto que seria descartado.

Vale lembrar, que na atualidade a F1 utiliza 6% de etanol misturado à gasolina e no próximo ano, esse percentual subirá para 10%, com uma projeção para 2025 de 100% do uso do biocombustível na categoria mais famosa do automobilismo mundial.

Para o vice-presidente executivo e operação de etanol, açúcar e bioenergia da Raízen, o etanol de 2ª geração se encaixa no objetivo da F1, onde ele acredita que a empresa mostrará ao mundo "que tem capacidade de produção em escala a nível comercial".

Temporada 2021 da Fórmula 1

Ainda em 2021, com Max Verstappen e Lewis Hamilton disputando o título mundial de pilotos ponto a ponto, os dois terão mais duas etapas para concluírem o ano: a primeira na Arábia Saudita e a segunda e última, em Abu Dhabi.