Por conta da pandemia do Coronavírus e pelo Brasil estar na zona vermelha para o vírus no Reino Unido, times como Liverpool e Manchester City não querem liberar os jogadores brasileiros para as Eliminatórias da Copa do Mundo de 2022.

A informação é da imprensa inglesa, que relata que os jogadores cedidos à seleção brasileira em sua volta terão que passar por uma quarentena de 10 dias, o que levaria mais tempo para eles estarem de volta em suas respectivas equipes.

Assim sendo, os Reds que já impediram a ida de Mohamed Salah para a seleção de seu país, no confronto entre Egíto e Angola, também não devem liberar Alisson, Fabinho e Firmino para os jogos do Brasil no próximo mês, assim como também os Citizens, que não querem liberar as saídas de Ederson e Gabriel Jesus.

Clubes ingleses pedem exceção à quarentena

Times que disputam a Premier League solicitaram ao governo britânico que liberassem os jogadores cedidos as seleções em países considerados em zona vermelha para a COVID-19 de tal medida, porém, a mesma não foi aceita.

Desta forma, além do Brasil, é muito provável que outras seleções sul-americanas também não tenham seus atletas que atuam na Inglaterra liberados pelas respectivas equipes.

O treinador da seleção brasileira corre ainda o sério risco de perder outros possíveis nomes a serem chamados para os jogos diante do Chile, Argentina e Peru; bem como Thiago Silva, Richarlison, Fred e Rafinha - todos esses que atuam por clubes ingleses.

Assim, Tite terá que convocar outros 10 jogadores para a rodada tripla das Eliminatórias que terá início no dia 02 de setembro, diante do Chile, fora de casa.

Jogadores brasileiros que atuam na Inglaterra, por exemplo, se forem convocados e liberados por esses, deverão perde até quatro jogos, sendo duas pela Premier League, uma pela Copa da Liga Inglesa e o jogo de abertura da Champions League - aqui jogadores convocados do Chelsea, Liverpool, Manchester City e Manchester United.