Presidente do Sergipe agride árbitro após jogo da Copa do Brasil

Nessa quinta-feira (2), Sergipe e Botafogo se e enfrentaram pela 1ª fase da Copa do Brasil. A partida terminou em 1 x 1 e, conforme o regulamento da competição, o empate dava a classificação ao Glorioso, que tinha a vantagem por estar melhor posicionado no Ranking da CBF. O empate veio no apagar dar luzes, após um tempo de acréscimo polêmico que gerou a revolta do time da casa.

O árbitro do jogo, Bráulio da Silva Machado, deu oito minutos de acréscimo e a partida estava 1 x 0 para os donos da casa, logo após foi acrescido mais um minuto ao tempo de jogo, que iria até os 54 minutos. Precisando do resultado, o Botafogo partiu para o ataque e buscou o empate após uma sequência de escanteios, quando já eram jogados mais do que os 9 minutos prometidos pela arbitragem.

Presidente do Sergipe agride árbitro

Após o apito final, os jogadores do Sergipe se revoltaram, pois não concordavam com o tempo de acréscimo e afirmavam que o gol saiu após os 54′. Membros da diretoria também invadiram o gramado e foram em direção ao trio de arbitragem de forma bastante agressiva, buscando agredir árbitro e auxiliares.

O mais exaltado era exatamente o presidente do Sergipe, Ernan Sena, que agrediu o árbitro da partida com um soco. Logo após, ele tentou agredir o auxiliar também e passou a perseguir o profissional, que reagiu com a própria bandeirinha e acabou acertando o mandatário do clube. Apesar de certa demora, a polícia conseguiu se aproximar e certou o trio de arbitragem para protegê-los dos agressores, que não desistiram em um primeiro momento.

Mesmo com a chegada da polícia, alguns dirigentes continuaram tentando intimidar os árbitros, mesmo com a presença da tropa de choque, escoltando os três. Quando eles começaram a se encaminhar para o vestiário, foi a vez da torcida do Sergipe arremessar vérios objetos como copos e garrafas de plástico em direção a Bráulio e seus auxiliares, mas o mesmo presidente que estava brigando pediu para que parassem e começou a devolver as garrafas para a arquibancada.

A confusão ainda aumentou, quando dois homens começaram a hostilizar e tentar agredir o técnico do Botafogo, Luís Castro, que permaneceu no gramado, após tentar e não conseguir voltar para o vestiário. Poucos minutos depois, as coisas se acalmaram, e todos se dirigiram aos respectivos vestiários e a revolta do Sergipe teve um fim.

Henrique Duarte Henrique Duarte

Olá, meu nome é Henrique Duarte. Sou estudante de jornalismo e apaixonado por futebol. Essa paixão foi o que me trouxe até aqui para traduzir em palavras como pode ser mágico esse esporte.