O legado de Pelé na Seleção Brasileira

Brasil, o país do futebol, bem, é o que muitos dizem, não somente nós brasileiros que crescemos acompanhando o esporte pela televisão, nas ruas ao jogar com os amigos ou na escola durante o recreio. Mas também é um relato dos amantes do futebol do mundo inteiro. 

E se alguém perguntar, seja para qualquer pessoa, quem foram os ídolos brasileiros que vestiram a camisa canarinho, com certeza, um dos nomes que lhe vêm à mente será: Pelé.

Edson Arantes do Nascimento foi revelado no Santos, marcou gerações e mesmo após anos continua encantando jovens com seus dribles que deixaram um legado no futebol brasileiro.

Um dos maiores marcos que Pelé deixou foi mudar os olhares que os brasileiros tinham ao ver a seleção entrar em campo.

O ano era 1950, e o mundo todo parava para assistir o maior campeonato de futebol, a Copa do Mundo. O local era o nosso país, Brasil.

Entre a confiança e o desejo de levantar a taça, o torcedor brasileiro viu seu sonho se desmanchar, após uma final triste no Maracanã. No dia 16 de julho, milhões de brasileiros choraram ao ver o Brasil perder por 2×1 a final contra o Uruguai.

Mas para aqueles que não tinham mais esperanças, um jovem menino, nascido em Três Corações, Minas Gerais, já parecia prever que iria mudar a trajetória da Amarelinha.

Aos nove anos, próximo de completar 10 anos de idade, Edson, consolava seu pai depois da derrota do Brasil na Copa do Mundo e fazia uma promessa: “Não se preocupe, pai, eu vou ganhar a Copa do Mundo para nós”, disse o menino.

Pelé pelo Santos (Reprodução: Instagram/Pelé)
Pelé pelo Santos (Reprodução: Instagram/Pelé)
Uma promessa que se tornou lenda

Talvez, ao ouvir suas próprias palavras, nem mesmo Pelé poderia acreditar no tamanho de sua trajetória na Seleção Brasileira. Ao vestir a famosa Amarelinha, foram 114 jogos, 84 vitórias, 15 empates e 14 derrotas, com um total de 95 gols marcados pelo ex-jogador. 

Em 15 anos atuando pela seleção, Pelé foi campeão do mundo nos anos 1958, 1962 e 1970, e tornou-se o maior vencedor da história dos Mundiais.

Sem falar nos outros títulos, o ex-jogador também levantou taças na Copa Roca (1957 e 1963), Taça do Atlântico (1960), Taça Oswaldo Cruz (1958, 1962 e 1968) e Taça Bernardo O'Higgins (1959).

O início de uma trajetória marcante

Não demorou muito para que o jovem Edson, que acabara de dizer ao pai que conquistaria a Copa do Mundo vestisse a camisa da seleção. Com apenas 16 anos, ainda jogando pelo Santos, Pelé foi convocado para representar o Brasil durante a Copa Roca. 

Na partida contra Brasil e Argentina, em sua primeira estreia, Pelé não foi titular, assistiu ao primeiro tempo pelo banco de reservas. Mas aos 20 minutos, o técnico Sylvio Pirillo queria ver como o jovem menino se sairia em um duelo difícil contra os hermanos.

Em pouco tempo dentro de campo, o jovem já mostrava o porquê era considerado uma promessa do futebol. Após 11 minutos, utilizando a camisa de número 13, Pelé marcou um gol e o Brasil empatou o jogo. Infelizmente, a Argentina conseguiu ampliar e venceu a partida por 2×1. 

Entretanto, os hermanos não tiveram muito tempo para comemorar já que no próximo jogo, o Brasil venceu os argentinos por 2×0 com um gol de Pelé e o jovem levantou a taça da Copa Roca, seu primeiro título pela seleção.

Copa Roca (Foto: Arquivo Agência O GLOBO)
Copa Roca (Foto: Arquivo Agência O GLOBO)
A estreia de Pelé na Copa do Mundo

A estreia na Copa do Mundo não começou como qualquer jogador gostaria, apesar de ser esperado para atuar como titular, Pelé teve que esperar até o final da primeira fase para finalmente entrar aos gramados. O jogador se machucou um pouco antes do início do campeonato de 1957, mas ainda conseguiu surpreender a todos com suas habilidades.

Na semifinal, após ter participado dos jogos e avançado com o time da seleção, Pelé reacendeu aquele sonho dos brasileiros ao verem o Brasil conquistar a Copa do Mundo.

No duelo contra a França, o jovem marcou três gols. Assim, depois de oito anos, o Brasil seguia para uma final ao vencer a partida por 5×2.

Final da Copa do Mundo de 1958 (Foto: Getty Images )
Final da Copa do Mundo de 1958 (Foto: Getty Images )

A final não foi somente um marco para o país, que viu Pelé contagiar os brasileiros com dois gols e virar a partida contra a Suécia. Além de vencer os anfitriões por 5×2, com gols de Pelé, Vavá e Zagallo, a partida também registrou um dos gols mais belos em Copas do Mundo feito pelo jovem Edson.

Entre conquistas, Pelé também viveu frustrações na seleção

Os próximos anos após a conquista do Mundial, não foram tão fáceis. O Brasil perdeu o jogador durante a Copa do Mundo no Chile, em 1962, depois uma lesão muscular, mas a seleção seguiu confiante com outros grandes jogadores. Garrincha, Mané e Vavá foram nomes que se destacaram na conquista do bicampeonato Mundial.   

O que poderia ser um outro triunfo, também foi frustrante para o Rei Pelé. Em 1966, o Brasil foi como favorito à Inglaterra disputar novamente uma Copa do Mundo. Pelé, já recuperado era um dos jogadores destaque no campeonato. Entretanto, Edson não conseguiu atuar na segunda partida após machucar no primeiro jogo.

Como resultado, Pelé e Garrincha, que também era um dos grandes atletas na época, precisaram assistir do banco de reservas a derrota do Brasil contra Portugal por 3×1. E por fim, a seleção teve que se despedir da Copa naquele momento.

A última taça de uma Copa do Mundo com Pelé 

Para a alegria dos brasileiros, Pelé conseguiu atuar em mais um ano de Copa do Mundo. Em 1970, no México, Pelé conquistou um novo recorde pela seleção. O jogador participou de todos os jogos, ao todo fez quatro gols e deu seis assistências durante o campeonato.

Mesmo após 52 anos, o Rei é considerado o jogador com mais passes para gol em uma única edição de Copa.

Do começo ao fim, Pelé deu aulas de futebol durante o ano do Tricampeonato Mundial do Brasil. Contudo, foi na final contra a Itália que o torcedor guardou na memória um dia histórico. Pelé abriu o placar da partida, com um gol de cabeça, e ainda, no último gol deu o passe para Carlos Alberto Torres fechar em 4×1. 

Pelé foi e é um dos atletas que mais marcaram a Amarelinha, foi amado e ovacionado pelos torcedores de todo o mundo. Entre Copas do Mundo, foi o único jogador a levantar três troféus. E mesmo que os brasileiros pedissem para que o Rei continuasse vestindo a camisa verde e amarela, aos 31 anos ele se despediu dos gramados.

Em entrevista após o último jogo do Rei no Morumbi, Pelé deu adeus aquele momento que seria eterno para todos os brasileiros: “Saio agora, quando todo mundo quer que eu fique. Seria muito triste sair quando todos acharem que está na hora”, disse o Rei.

Final da Copa do Mundo de 1970 (Foto: AP)
Final da Copa do Mundo de 1970 (Foto: AP)

Recordes de Pelé na seleção

  • Maior artilheiro na história da Seleção Brasileira: 77 gols oficiais (95 gols no total)
  • Jogador com mais títulos de Copa do Mundo
  • Jogador mais jovem a ser campeão mundial com 17 anos e 249 dias em 1958
  • Mais assistências em Copas do Mundo: 10

Foto destaque: Divulgação/ Fifa

 

Giovanna Giaretta Giovanna Giaretta

Jornalista formada pela UFOP, Giovanna Giaretta é apaixonada por esportes e entrou na universidade com o objetivo de se tornar Jornalista Esportiva. Cruzeirense fanática, ela não perde um jogo do time mineiro.