Depois da pandemia afetar negativamente os cofres dos clubes de futebol, que não tiveram um prejuízo maior por conta dos patrocínios, o IBOPE Repucom apresentou alguns números das empresas que estamparam suas marcas no esporte em questão no último ano.

De acordo com esse, os números subiram, ficando 19% maiores com relação a 2020, onde passou de 145 patrocinadores diferentes nos uniformes dos 20 clubes da Série A, para 172.

O relatório apresentado pegou os 20 clubes da Série A mais o Botafogo, Cruzeiro e Vasco, que jogaram a Série B no último ano; com um crescimento considerável na taxa de permanência dos patrocinadores, pulando de 49% para 61%.

Ou seja, de cada 10 marcas que patrocinaram alguns desses clubes em 2020, 6 permaneceram ativos em 2021.

Vale salientar que neste cálculo estão os fornecedores de material e patrocínios regulares e pontuais.

Esses patrocinadores pontuais saltaram em 2021, saindo de 23 em 2020 para 48 em no último ano, representando assim um crescimento de 109%.

Para o diretor do IBOPE Repucom - Arthur Bernardo Neto, dois fatores foram importantes para o resultado deste estudo:

  • Taxa de permanência de marcas vindas de temporadas anteriores;
  • Aumento no volume de contratos de patrocínios pontuais.

Dentre os clubes da Série A em 2021, o Fortaleza vem liderando como clube com o maior número de patrocinadores desde 2019, com 26 no total, seguido por Chapecoense, com 22, São Paulo, com 20, Juventude e Sport com 18, fecham o TOP FIVE.

Já entre os patrocinadores, ou seja, por seguimento, o de imobiliário, construção e acabamento dominou o volume de marcas estampadas nos uniformes dos clubes da Série A em 2021, onde foram colocadas 30 marcas únicas no último ano.

Destaque para o setor de tintas, que liderou pelo segundo ano seguido e contou com seis marcas diferentes no Brasileirão.

Em segundo, ficou o setor financeiro, com 20 marcas diferentes que investiram na Série A, com 39 acordos de patrocínios em 2021.

Por conta da pandemia da Covid-19, o setor de serviço de saúde foi pelo segundo ano consecutivo na terceira colocação, colocando 20 marcas diferentes nos clubes da Série A.

Já o agronegócio que também investiu pesado nos clubes brasileiros, principalmente nos da Série A, tiveram uma importância no que se refere a investimentos no futebol, onde seis marcas estamparam os uniformes da elite, bem como: Chapecoense, Juventude, Cuiabá e Athletico - totalizando 6 patrocínios diferentes.

No entanto, na propriedade mais nobre do uniforme, os sites de apostas esportivas lideram com seis marcas, seguido pelo setor financeiro, com quatro.

Fornecedores de materiais esportivos

Entre as principais fornecedoras de materiais esportivos, a Umbro foi a principal entre todas, estando presente em sete clubes, seguido pela Adidas, com quatro.