Ex-presidente da FIA, Max Mosley morre aos 81 anos. O personagem que comandou a Federação Internacional de Automobilismo entre 1993 a 2009, também foi um dos fundadores da equipe March.

O mesmo ainda ficou marcado na F1 por fortes polêmicas e também por ser o grande responsável pela melhoria na segurança do automobilismo mundial.

A morte do ex-presidente da FIA foi confirmada por Bernie Ecclestone, que por vários anos dividiu com Mosley o comando da Fórmula 1, sendo os dois os grandes responsáveis pelo que a categoria se transformou nos dias de hoje.

"É como perder alguém da família, como perder um irmão. Ele fez muitas coisas boas não apenas para o esporte a motor, mas também para a indústria automobilística, certificando-se de que as pessoas construam carros que sejam seguros", disse Ecclestone a BBC - de Londres.

Mosley foi muito importante para a F1 logo após a morte de Ayrton Senna, em 1994, vindo a lutar pela segurança dos carros, porém, esse ato político também teve resultados menos favoráveis, como quando ele quis implantar um teto orçamentário de 40 milhões de libras para as equipes da categoria em 2009.

Escândalo Sexual

Com um escândalo sexual neste mesmo ano, o então chefão da FIA abandonou o posto e passou a dedicar-se a segurança de carros de rua.

Por 16 anos, ele e Ecclestone tiveram o controle da categoria mais famosa do automobilismo, na época foi o esporte que mais cresceu no ponto de vista comercial, se distanciando do romantismo e perigoso, passando a se tornar mais tecnológico e seguro.

Morte de Max Mosley

O ex-chefão da FIA vinha encarando uma batalha contra o câncer, donde em seus últimos anos de vida lutou para a imposição de limites mais rígidos para a privacidade, após se envolver em caso de escândalo sexual, já acima citado.

1