Histórias da Copa do Mundo: Iniesta dedica o gol da vitória ao falecido Dani Jarque (2010)

Com a Copa do Mundo de 2022 no Catar prevista para começar em novembro, estamos fazendo uma retrospectiva da história da Copa do Mundo e dos momentos bons, ruins e incríveis que permanecem em nossas memórias até hoje e viverão para sempre.

Em 2010, mais uma edição histórica da Copa do Mundo da FIFA estava marcada para acontecer, e ela foi histórica por duas razões principais. Primeiro, seria a primeira Copa do Mundo disputada em solo africano e segundo, o torneio seria disputado em um quarto continente, tendo sido sediado apenas na América do Sul, Europa e Ásia antes.

O mundo do futebol chegou à África do Sul para um torneio que seria inesquecível. Houve vários destaques, poucos foram mais dramáticos do que o gol de empate sul-africano marcado por Siphiwe Tshabalala durante o jogo de abertura no Estádio FNB em Joanesburgo.

No entanto, a Copa do Mundo de 2010 na África do Sul provavelmente será lembrada mais pelo brilhantismo dos espanhóis, que jogaram com um estilo e elegância que poucos tiveram antes.

Domínio espanhol

Para o povo da Espanha, a Copa do Mundo de 2010 seria a mais memorável de todas, e por bons motivos.

Antes do torneio começar, os espanhóis estavam no topo da árvore em termos de domínio futebolístico. Recém-chegados da vitória na EURO de 2008, onde deslumbraram com o seu atraente e muitas vezes surpreendente estilo tiki-taka, os espanhóis eram temidos por todos.

Apesar de ser a campeã europeia e entrar no torneio como uma das equipes a serem derrotadas, a Espanha teve o pior começo possível na África do Sul, pois perdeu para a Suíça na primeira rodada.

Em termos de desempenho, os homens de Vicente del Bosque não erraram muito naquele primeiro jogo. Eles dominaram o jogo com 73% de posse de bola e mostraram muito mais intenção de ataque. Contudo, apesar de terem terminado com 25 chutes contra nove da Suíça, não conseguiram encontrar o caminho da vitória antes de serem punidos no contra-ataque. Os planos espanhóis de domínio mundial não estavam indo de acordo ao esperado. Eles precisavam se recuperar imediatamente para evitar desastres.

Eles se recuperariam, derrotando Chile e Honduras, e avançando para as oitavas de final como vencedores do grupo graças ao saldo de gols superior.

O homem que fez a diferença

Como meio-campista central, Andrés Iniesta está no topo da montanha junto aos melhores, e não apenas de sua geração, mas de todos os tempos. O pequeno craque simplesmente se destacava toda vez que entrava em campo.

Em meados dos anos 90, como técnico do Barcelona, Bobby Robson, ao falar sobre o brasileiro Ronaldo, disse a famosa frase “alguém, em qualquer lugar, consegue encontrar um jogador melhor?”, se ele tivesse feito essa pergunta dez anos depois, ele estaria falando sobre Iniesta, o mago do meio-campo, que se isolou entre os melhores meio-campistas graças à sua habilidade futebolística hipnotizante.

Em meados da década de 2000, assim como na primeira metade da década de 2010, se o Barcelona ou a seleção espanhola precisavam de alguém para fazer a diferença, Andrés Iniesta sempre atendia o chamado, seja marcando gols extremamente importantes, como seu gol de última hora contra o Chelsea na Liga dos Campeões, que entrou no canto superior do gol quando o Barcelona estava à beira da eliminação, ou fazendo o trabalho duro no meio-campo antes de dar uma assistência para um companheiro de equipe, como fez em tantas ocasiões ao longo de uma carreira ilustre, durante a qual ele ganhou quase tudo que se possa imaginar.

Quando se tratava da Copa do Mundo de 2010, Iniesta, que havia estreado quatro anos antes, era um jogador integral. Ele foi titular no primeiro jogo, mas quando uma mudança de sistema foi solicitada na segunda rodada, o homem do Barcelona foi colocado no banco. A Espanha venceu por 2 a 0 sem Iniesta, embora a sua ausência tenha sido temporária, já que na terceira jornada ele voltou à equipe titular, marcando o gol da vitória por 2 a 1 sobre o Chile. Esse gol colocou a Espanha no mata-mata e abriu o caminho para o que estava por vir.

Um dos melhores jogos da Espanha em Soccer City

Quem teve a sorte de ver Iniesta jogar ao longo de sua carreira sabe que seu jogo não era tanto de gols, nem de assistências, e sim de fazer seu time avançar, carregar a bola, contornar a pressão dos meio-campistas adversários com sua astúcia, inteligência e elusividade, criando brechas para quem está na frente explorar. E, no entanto, apesar de todo o seu brilhantismo no meio-campo, todo o seu jogo de bola, seus pés rápidos e aquele passo lateral que deixava muitos jogadores indefesos, foi um chute de seu pé direito que sem dúvida definiria sua carreira. Esse chute viria em Soccer City em 11 de julho de 2010.

Depois de ter feito um trabalho leve para passar da fase de grupos, a Espanha enfrentou um duro confronto nas oitavas de final com o vizinho Portugal. O derby ibérico foi tenso, e acabou com a classificação dos campeões europeus de Vicente Del Bosque, que venceram por um 1 a 0, graças a um gol de David Villa aos 63 minutos, que marcou seu quarto gol no torneio ao acertar um rebote contra o goleiro português Eduardo. A chance surgiu depois que Iniesta passou a bola habilmente para Xavi, que chutou de primeira.

O maestro estaria novamente no centro da criatividade que levou ao gol da vitória da Espanha por 1 a 0 sobre o Paraguai nas quartas de final. De forma típica, Iniesta recebeu a bola no meio-campo adversário, passou entre dois zagueiros e deu um passe para Pedro. Parecia que Pedro marcaria com certeza, mas seu chute bateu na trave e caiu gentilmente nos pés do prolífico Villa, que estava no lugar certo para marcar seu quinto gol no torneio.

A série de vitórias por 1 a 0 da Espanha continuaria na semifinal, e eles, mais uma vez, enfrentariam um jogo extenuante. Os alemães pressionaram os espanhóis com muita força, mas graças a um cabeceio imponente do zagueiro Carles Puyol, o time conhecido como La Furia Roja, que se traduz como a fúria vermelha, garantiu seu lugar na final.

A final seria outro grande teste para um time espanhol desesperado por colocar as mãos no maior prêmio do futebol. Eles enfrentaram um time holandês com alguns dos maiores talentos do mundo, como Arjen Robben, Robin Van Persie e Wesley Sneijder, e que a caminho da final havia derrotado tanto o Brasil quanto o Uruguai.

Eles sabiam o que iriam enfrentar, especialmente contra o perigoso Sneijder, que já tinha cinco gols em seu nome. No entanto, além de serem conhecidos por jogar seu jogo de passe rápido e atraente, os espanhóis afirmaram se destacar como um time difícil de vencer que não tinha muita coragem e determinação.

Em Soccer City, uma coisa estaria garantida. No final do jogo, um novo nome estaria no troféu, surpreendentemente, nem a Espanha nem a Holanda haviam levantado a Copa do Mundo antes, uma farsa dada a rica história futebolística de ambos.

A final em si não foi um clássico. Foi um jogo tenso e francamente indisciplinado, que conteve muitas faltas e pausas no jogo. No final do tempo normal, com as equipes empatadas em 0 a 0, nove cartões amarelos foram mostrados pelo árbitro Howard Webb, que se tornou apenas o segundo inglês a apitar uma final de Copa do Mundo após Jack Taylor arbitrar a final de 1974 entre a Holanda e Alemanha Ocidental.

O jogo foi para a prorrogação e não demorou muito para que Iniesta puxasse a corda. Aos cinco minutos do primeiro período, o meio-campista fru um belo passe que colocou Cesc Fabregas na cara do gol, mas o goleiro holandês Maarten Stekelenburg conseguiu defender a tentativa espanhola.

Depois de algumas meias chances para ambos, a Espanha começou a ganhar vantagem, passando perto com David Villa, antes de Fabregas ter outra oportunidade.

O gol finalmente veio aos 116 minutos, quando uma tentativa de cruzamento foi mal desviada para os pés do já mencionado Fabregas, que avistou Iniesta à direita do gol posicionado dentro da área. Com a bola rolando em sua direção Iniesta dominou a bola com seu pé direito antes dela ser suavemente rebatida para o gol holandês, deixando Stekelenburg indefeso.

Em grande estilo, um dos maiores jogadores da história da Espanha, talvez até o maior, entregou o momento que continua sendo o maior da história do futebol espanhol.

Dedicado a Dani Jarque

Também foi apropriado a maneira na qual o herói da Espanha dedicou o gol da vitória a Dani Jarque, que triste e chocantemente morreu de um ataque cardíaco menos de um ano antes da vitória da Espanha na Copa do Mundo.

Histórias da Copa do Mundo: Iniesta dedica o gol da vitória a Dani Jarque
Iniesta homenageia Dani Jarque durane jogo da copa do mundo de 2010

Apesar de jogar pelas duas maiores equipes de Barcelona, Jarque e Iniesta eram amigos íntimos, e Iniesta, de acordo com suas próprias palavras, foi extremamente afetado quando o jogador de 26 anos faleceu subitamente de um ataque cardíaco inesperado em agosto de 2009.

Falando após o triunfo de sua nação na África do Sul, o grande espanhol declarou que a morte de seu amigo o colocou em uma situação desesperadora, onde precisou de ajuda profissional. Acrescentando: “certamente foi a fase mais difícil da minha vida”.

Depois de marcar aquele gol que marcou uma geração, Iniesta se afastou durante a comemoração e tirou sua camisa para revelar uma camiseta com as palavras “Dani Jarque: siempre con nosotros”, que se traduz como “Dani Jarque: sempre conosco”. Uma justa homenagem de um dos melhores jogadores do futebol.

Após a Copa do Mundo, Iniesta voltou a Barcelona, onde continuou a ajudar os gigantes espanhóis a prosperar, conquistando título após título. Quando finalmente deixou o clube catalão em 2018, Andrés Iniesta tinha nove títulos da La Liga, quatro Ligas dos Campeões, seis Copas do Rei e duas Supercopas da UEFA.

Um jogador de equipe, sempre procurando colocar seu time na melhor posição. Muitas vezes jogando de uma forma que beneficia aqueles ao seu redor, Iniesta, que aos 38 anos ainda joga pelo Vissel Kobe no Japão, é um dos jogadores de futebol mais reconhecidos do século 21.

No maior palco de 2010, ele mostrou sua classe e altruísmo usando o maior momento de sua carreira para homenagear seu amigo caído.

Juliano Garcia Juliano Garcia

Apaixonado por esporte, sou um dos criadores do Minha Torcida.