Histórias da Copa do Mundo: Chilavert, primeiro goleiro a marcar uma falta direta em um mundial (1998)

Com a Copa do Mundo de 2022 no Catar prevista para começar em novembro, estamos fazendo uma retrospectiva da história da Copa do Mundo nos momentos bons, ruins e espetaculares que permanecem em nossas memórias até hoje e para sempre.

Quando o relógio passou dos 72 minutos, no ensolarado Estádio La Mosson em Montpellier, o placar empatou em 0 a 0 em um jogo incrível da fase de grupos da Copa do Mundo de 98 entre Bulgária e Paraguai, no entanto, a multidão, que estava entediada até então, voltaram inesperadamente a atenção ao jogo.

 O Paraguai havia ganhado uma cobrança de falta a cerca de 30 metros do gol de Zdravko Zdravkov e o número 1 bulgaro apenas assistia enquanto assistia o número 1 do time oposto chutar a bola.

Para José Luis Chilavert, este território era familiar, no entanto, ele estava prestes a se tornar o primeiro goleiro a cobrar um tiro de meta nas finais da Copa do Mundo.

Com uma corrida bem calculada e um chute rápido de seu lendário pé esquerdo, Chilavert curvou a bola habilmente em um como um arco largo em direção ao canto superior do gol. Seu chute foi tão perfeito, que já parecia estar destinado a desviar da barreira e atingir a rede em cheio antes que a mão de Zdravkov alcançasse o alto para impedir a bola de entrar.

O gol respeitado de Chilavert de longe foi entre centenas de outros que ele já tinha feito em sua carreira. El Bulldog marcou mais de 60 vezes pelo clube e pela seleção antes de finalmente tirar as luvas para sempre em 2004.

Um homem de atitude e habilidade, Chilavert deixaria sua marca na história do futebol antes de se aposentar.

Os feitos de um Maverick

José Luis Chilavert nem sempre foi especialista em bola parada do futebol. Enquanto ele tinha permissão para brincar com bolas paradas no início de sua carreira com o time paraguaio Sportivo Luqueño no início dos anos 89, foi então que sua mudança para a Europa com o clube espanhol Real Zaragoza que ele começou a encontrar seu fluxo e aprimorar suas habilidades.

Em 122 jogos pelo San Lorenzo da Argentina antes de sua transferência para a Espanha em 1988, Chilavert não marcou um único gol, embora o goleiro tenha trabalhado pesado no campo de treinamento com o Zaragoza, ficando sempre depois para praticar mais de 100 chutes para melhorar sua precisão.

Em um momento agitado, Chilavert também conquistou sua primeira internacionalização pelo Paraguai em 1989. O goleiro conseguiu marcar seu primeiro gol ao estrear nas eliminatórias da Copa do Mundo contra a Colômbia, mas teve que esperar um tempo considerável para marcar seu pênalti quando um grupo de policiais e oficiais invadiram o campo quando ele teve a oportunidade.

De volta para a cena do clube, a vida não era tão linda. Em uma entrevista sobre seu tempo na La Liga, Chilavert disse que os torcedores costumavam “Enlouquecer” quando ele driblava com a bola e gritavam para ele voltar ao gol. No entanto, a habilidade de Chilavert com bolas paradas não passou despercebida e ele foi autorizado a cobrar um pênalti contra a Real Sociedad durante a temporada de 1989/90, que ele aproveitou habilidosamente. 

A atenção de Chilavert foi desfocada durante as comemorações seguintes, no entanto, La Real empatou logo no reinício. Os torcedores do Zaragoza não gostavam muito dessas habilidades de seu goleiro e não muito tempo depois que ele foi vendido de volta à sua terra natal, onde Vélez Sarsfield recebeu de braços abertos.

As cobranças de falta de Chilavert acontecem

No Vélez Sarsfield, no bairro de Liniers, em Buenos Aires, Chilavert encontrou o treinador Carlos Bianchi que estava pronto para abraçar as habilidades mais excêntricas do goleiro.

Ele evoluiu com a liberdade que foi dada a ele e enquanto sua especialidade de bola parada continuou a aparecer ainda mais nas manchetes da Argentina e fora também, Chilavert tinha uma variedade de talentos de um goleiro de classe mundial e sua espetacular habilidade de defesa de gols era visível para qualquer um.

Capitão do Paraguai José Luis Cilavert durante partida da copa de 1998 entre Paraguai e Bulgaria.
Capitão do Paraguai José Luis Cilavert durante partida da copa de 1998 entre Paraguai e Bulgaria.

Chilavert desenvolveu um talento para que pudesse entregar em um dos maiores eventos o seu primeiro gol pelo Vélez que rendeu um empate contra o Estudiantes, que garantiu o título Clausura para seu clube. O goleiro ganhou quatro títulos nacionais e cinco internacionais durante sua passagem de dez anos pelo El Fortín e entre seus 48 gols, muitos foram listados.

Em um jogo em 1966 – ano em que foi eleito o Futebol do Ano na Argentina – Chilavert gritou “saia do caminho, vou marcar!”, antes de bater uma falta de seu próprio meio-campo que acertou a rede contra o rival River Plate.

Na temporada de 1997/98, Chilavert marcou dez gols em 35 jogos do campeonato pelo Velez – no mesmo ano ele ganhou um de seus três prêmios de melhor goleiro do mundo da IFFHS (1995,1997 e 1998)

Em 1999, tornou-se o primeiro goleiro a marcar um “hat-trick” na história do futebol profissional, ou seja, marcou três pênaltis contra o Ferro Carril Oeste.

O status lendário de Chilavert na América do Sul parecia aumentar a cada jogo e sua reputação seguiria para o cenário internacional.

Chilavert e Paraguai: destinos entrelaçados

A associação de Chilavert com a seleção paraguaia foi um pouco de amor e ódio após sua estreia inicial em 1989. Entre esse ano e 1992, ele ganhou apenas mais sete partidas pelo seu país, apesar de que menos de 12 meses depois ele tenha sido a primeira escolha da equipe como goleiro e marcou seu segundo gols pelo Paraguai contra o Peru em agosto de 1993, novamente de pênalti.

Quando terminou a campanha de qualificação da CONMEBOL para a Copa do Mundo de 1998 na França, Chilavert havia jogado mais de 20 vezes pelo Paraguai, dobrando sua contagem de gols ao longo do caminho com uma primeira cobrança de falta contra a Argentina (1996) e um pênalti contra o mesmo adversário um ano depois.

O Paraguai terminou em segundo lugar atrás dos argentinos no grupo, à frente das equipes mais cobiçadas da Colômbia e do Chile, reservando seu lugar no torneio pela segunda vez desde a década de 1950.

Sob a direção do técnico brasileiro, Paulo César Carpegiani, o Paraguai levou um time promissor, porém inexperiente, para a Copa do Mundo de 1998, na França, com metade dos 22 convocados com dez ou menos jogos.

14 jogadores diferentes – incluindo Chilavert – combinaram de marcar 21 vezes para o Paraguai durante a sua jornada para a qualificação da América do Sul e com Roberto Acuña, Miguel Ángel Benítez e César Ramírez os únicos membros europeus na escalação. Houve uma junção no campo de Los Guaraníes que os ajudaram muito na França.

Chilavert faz a história na Copa do Mundo de 1998

Aos 32 anos e em seu auge, José Luis Chilavert foi o capitão do Paraguai na Copa do Mundo de 1998 e liderou seus companheiros de equipe no Estádio de La Mosson para enfrentar a Bulgária na primeira rodada do Grupo D, em 12 de junho. 

Antes do jogo Chilavert foi questionado sobre a pressão da expectativa em seus ombros como capitão do time, embora ele tenha brincado: “Pressão? Isso é só um jogo de futebol. Quando você não consegue alimentar seus filhos, isso sim é pressão”, respondeu.

Chilavert certamente parecia relaxado e despreocupado quando ele quase marcou o primeiro tiro de meta da Copa na do Mundo de um goleiro, diretamente no gol da Bulgária. Diante disso, parece que o goleiro búlgaro Zdravko Zdravkov defendeu o chute de Chilavert

Na segunda rodada em Saint Etienne, as habilidades de goleiro de Chilavert seriam testadas por uma equipe espanhola com Luis Enrique, Raúl e Fernando Morientes, mas o Bulldog não abaixou a cabeça e fez uma sequência de excelentes defesas para manter o placar em 0 a 0.

O jogador de 32 anos chegou a marcar uma cobrança de falta de longe no primeiro tempo, apesar de seu chute ter acertado a barreira espanhola, voltou em segurança para a sua equipe.

José Luis Chilavert comemora gol durante a copa de 1998.

José Luis Chilavert comemora gol durante a copa de 1998.

Com o grupo D apertado, o Paraguai precisava transformar empates em vitórias e os sul-americanos fizeram uma de suas melhores performances em Copas do Mundo ao vencer a Nigéria por 3 a 1 em Toulouse, no dia 24 de junho.

Chilavert foi derrotado pela primeira vez na França por Wilson Oruma, embora suas habilidades durante o resto da eliminatória tenham sido de imensa ajuda para o sucesso paraguaio. A vitória valeu uma passagem para as oitavas de final com os africanos, e a Espanha saiu da competição junto com a Bulgária.

Copa do Mundo de 1998: a saída e o pós jogo

O Paraguai enfrentou a nação anfitriã e a favorita da competição, a França, em Lens, quatro dias depois e, apesar de “Os azuis” estarem com uma classificação maior e também o apoio de mais de 30.000 torcedores no Estádio Félix-Bollaert, eles não conseguiram derrotar os azarões.

Uma combinação de ataque com estilo, defesa firme e as habilidades de Chilavert levou o confronto das oitavas de final para a prorrogação, onde uma finalização aos 114 minutos do zagueiro Laurent Blanc diferenciou as equipes.

O Paraguai estava a poucos minutos de chegar a uma disputa de pênaltis na qual poderia ter vantagem, especialmente com a presença de Chilavert, apesar de que sua conquista na França ainda fosse vista como impossível.

Os lances de Chilavert renderam uma seleção muito merecida para o painel “All star” do torneio, que contou com 16 dos melhores jogadores da Copa do Mundo de 1998, de acordo com aqueles que o escolheram.

Depois, Chilavert jurou que se tornaria o primeiro goleiro a marcar em uma Copa do Mundo no futuro, apesar de que o goleiro nunca tenha tido a chance de jogar em uma novamente.

Sua carreira no clube o levou de volta à Europa para uma breve temporada de dois anos com o Estrasburgo e logo após o Millennium, antes de Chilavert retornar à América do Sul, onde aproveitou de uma campanha única vencendo no Uruguai com o Penarol.

Completando o ciclo, o veterano terminou seus dias de jogador com seu amado Vélez Sarsfield, pelo qual jogou pela última vez em 2004. Ele jogou sua última partida pelo Paraguai no ano anterior e quando vestiu as cores de seu páis pela última vez, ele já carregava 8 gols em 74 jogos, tornando-se o goleiro mais artilheiro da seleção de todos os tempos – um recorde que não foi quebrado até hoje.

Juliano Garcia Juliano Garcia

Apaixonado por esporte, sou um dos criadores do Minha Torcida.