Para a surpresa de quase ninguém, Lewandowski foi eleito o melhor jogador do futebol europeu na temporada passada. Em cerimônia realizada nesta quinta-feira, em Nyon, na Suíça, pela UEFA, o atacante polonês do Bayern de Munique foi condecorado com a premiação, que pela primeira vez em muitos anos, não contou com Messi e Cristiano Ronaldo entre os finalistas.

A premiação de Lewandowski apenas complementou o fato de que a era de Cristiano Ronaldo e Messi está perto do fim. Desde a entrega para Modric, na temporada 17/18, o tema começou a ser debatido, e de fato, desta vez, Lewandowski confirmou a tese de que o futebol precisa de novos grandes ídolos.

Entretanto, falando mais especificamente do camisa 9 do Bayern de Munique, os números não mentem: Mais do que a conquista de quase todos os títulos da temporada passada, o atacante foi simplesmente fenomenal, e justamente para entender como que o jogador chegou no prêmio de melhor jogador do Velho Continente, iremos elencar aqui os números de Lewandowski na última temporada.

Veja os números que fizeram Lewandowski ser o melhor jogador da Europa

NÚMEROS INDIVIDUAIS

GOLS POR COMPETIÇÃO

COMPETIÇÃO JOGOS GOLS ASSISTÊNCIAS
Bundesliga 31 34 4
UEFA Champions League 10 15 6
DFB- Pokal 5 6 -
Supercopa da Alemanha 1 - -
Lewandowski foi eleito o melhor jogador da Europa nesta quinta-feira. (Foto:REUTERS)
Lewandowski foi eleito o melhor jogador da Europa nesta quinta-feira. (Foto:REUTERS)

Vale lembrar que, nesta temporada, os outros dois concorrentes eram Manuel Neuer (Bayern de Munique), além de Kevin de Bruyne (Manchester City). Os outros dois concorrentes ganharam a premiação de melhores em seus respectivos setores (goleiro e meio-campo). Neuer venceu contra Oblak, do Atletico de Madrid, e Keylor Navas, do PSG, enquanto De Bruyne venceu Thiago (hoje no Liverpool) e Thomas Müller (Bayern de Munique).

Sendo assim, resta ao centroavante do Bayern manter o reinado como melhor jogador do continente. A próxima edição da Liga dos Campeões da Europa começa no dia 20 de outubro, e o Bayern de Munique defende a sua soberania. Resta ver como o mais novo "dono" do futebol europeu administra seu auge.