Um dos maiores nomes da história do futebol mundial deixa o esporte de luto. Diego Armando Maradona, aos 60 anos de idade, teve sua morte confirmada, de acordo com o jornal argentino Clarín. De acordo com o jornal, o ex-jogador morreu após sofrer uma parada cardiorespiratória, em casa, e chegou a ser levado para um centro de tratamento mais especializado, mas não resistiu.

Maradona estava se recuperando de uma cirurgia feita para retirada de um coágulo no cérebro e seguia tratamento em casa. Pessoas próximas ao jogador vinham declarando certa surpresa com a rapidez de sua recuperação frente a um problema grave. Maradona é o maior ídolo do futebol argentino.

A morte de um dos maiores ídolos da história pegou o mundo de surpresa, e gerou grande comoção nas redes sociais. Em poucos segundos, seu nome e inúmeras homenagens tomaram conta de toda a Internet, e a morte tomou as manchetes dos principais jornais e diários do planeta.

Mais do que um excelente jogador, Maradona sempre foi um gigante personagem também fora das quatro linhas. Entre polêmicas fora de campo e títulos dentro dele, passou por Argentinos Juniors, Boca Juniors, Barcelona, Napoli, Sevilla e Newells Old Boys.

Na carreira, venceu 13 títulos, entre eles, o principal sendo a Copa do Mundo de 1986, com a camisa da seleção argentina. Por clubes, venceu a Liga dos Campeões da Europa no ano de 1989.

Com a camisa da seleção argentina, disputou 91 partidas, com 34 gols marcados. Por clubes, disputou 588 jogos, e marcou 446 gols.

A Confederação Sul-americana de Futebol (Conmebol) atualizou sua foto de perfil nas redes sociais, demonstrando o luto pela perda de um dos maiores ícones do futebol sul-americano e mundial. Ainda não está descartado o cancelamento dos jogos da Libertadores, que acontecem nesta quarta e quinta.

Carreira como treinador

Como técnico de futebol, Maradona começou ainda no ano de 1995, no Racing. Entretanto, sua passagem pelo clube argentino durou pouco, e seu primeiro trabalho de impacto como técnico teria que ser jus ao seu tamanho: A seleção argentina.

Treinou a equipe de 2008 a 2010, encerrando sua passagem pela seleção nacional depois da eliminação para a Alemanha nas quartas de finais da Copa do Mundo, realizada na África do Sul. Depois disso, rodou pelo mundo árabe, até que em 2018, voltou ao seu país natal, para comandar o Gimnasia y Esgrima.