Após polêmica envolvendo a Eletronic Arts Sports e a FIFA, a entidade máxima do futebol veio a público se manifestar sobre a possibilidade da produtora de games não usar mais o nome da franquia depois de mais de 20 anos.

A FIFA através de um comunicado oficial se pronunciou sobre o tema, onde nesta última sexta-feira (15), a entidade afirmou que vai pôr em prática um novo posicionamento no mercado de games e de e-sports, incluindo acordos para liberação da licença da marca "FIFA" de forma não exclusiva.

Lembrando que o contrato de exclusividade que a EA Sports tem com a FIFA acaba neste ano, e para a renovação, a entidade máxima de futebol estaria pedindo US$ 1 bilhão pelo período de quatro anos.

Tal acordo permite que a produtora de games utilize o nome "FIFA" nos jogos e produzir jogos oficiais da Copa do Mundo. Além disso, lhe dá o direito de ser o parceiro na organização de campeonatos e-sports da entidade, bem como o FIFAe World Cup.

Entenda a encrenca

Segundo o jornal "The New York Times", a FIFA gostaria de assinar um acordo de exclusividade com a EA Sports no uso da licença em games; por outro lado, a produtora do jogo almeja explorar a marca dentro do ecossistema da franquia, como melhores momentos de jogos reais, campeonatos em arenas e produtos digitais com NFTs.

Confira parte da nota publicada pela FIFA

"A FIFA adotará um novo posicionamento comercial em jogos e nos e-sports para garantir que esteja em melhor posicionamento para tomar decisões que beneficiem todos os interessados no futebol. A FIFA está otimista e animada com o futuro dos jogos e do e-sports para o futebol, e está claro que esse deve ser um espaço ocupado por mais deu uma parte controlando todos os direitos", destacou a entidade.