Ex-jogador do Palmeiras é acusado de fraude e aliciamento de atletas

Apontado pelo Ministério Público, ex-jogador do Palmeiras, de 28 anos, Romário Hugo dos Santos, conhecido como Romarinho, é acusado por aliciamento de jogadores e fraudes. A indicativa do órgão é a participação do ex-atleta palmeirense em uma organização criminosa em transações bancárias e financiamento do esquema.

Ex-jogador do Palmeiras: dos gramados à cadeia

Acusado pelo Ministério Público por ações criminosas, Romarinho, ex-jogador do Palmeiras, foi indiciado e preso por participação de um esquema de aliciamento e fraudes no setor esportivo.

Em suma, a ideia era garantir vantagem em resultados de determinadas competições esportivas como no Brasileirão Série A. Dentre os confrontos indicados para esse aliciamento estão Goiás x Juventude, Red Bull Bragantino x América-MG, Santos x Avaí, Botafogo x Santos e Palmeiras x Cuiabá.

“Em uma das conversas, Romarinho dá a entender que é um dos patrocinadores da organização: “Você trampa com muitos cara. Você tem os jogadores. Vem com nois, eu banco a operação”, escreveu Romarinho.

Com isso, nesta investigação responde por aliciar atletas e financiar as fraudes ocorridas. Por exemplo, no confronto entre Santos e Avaí, Romarinho manteve contato com Eduardo Bauermann para um possível ação dentro do jogo e após o apito final foi expulso. Até o momento, o MP não se sabe quanto foi recebido para esse movimento.

Atualmente, o ex-jogador está preso, mas segundo a sua defesa o processo ainda está em fase inicial e que ele é inocente, então logo poderá estar em liberdade.

Carreira de Romarinho

Romarinho jogou com a camisa alviverde de 2009 a 2013. Além disso, o ex-atleta acumulou passagens pelo Atlético Sorocaba, Atibaia, Ypiranga, Passo Fundo, Ponte Preta e Guaratinguetá.

Nota da defesa de Romarinho

“A Equipe Jurídica de Romario Hugo dos Santos vem, por meio desta nota, informar que o processo encontra-se em momento embrionário, sendo certo que todas as provas acostadas aos autos foram produzidas unilateralmente pela acusação, sem qualquer manifestação da defesa, que será oportunizada apenas nos próximos dias. Neste contexto, não é possível afirmar o remetente ou o destinatário de fato das supostas mensagens trocadas, tampouco se realmente houve qualquer tipo de ameaça. O conteúdo de tais mensagens é contestável, passível de produção de contraprova, o que será feito no momento processual oportuno. A defesa se insurge contra o vazamento indiscriminado do conteúdo dos autos, tendo em vista ser um processo que tramita em segredo de justiça. Lamentamos que o Sr. Romário esteja sendo submetido ao julgamento da opinião pública sem que antes tenha se defendido sob o manto do contraditório e da ampla defesa. Frisamos, ainda, que o Sr. Romário Hugo é pessoa primária, de conduta ilibada, não havendo contra ele qualquer notícia de envolvimento na prática de delitos. Nesta oportunidade, por meio de seus Advogados, coloca-se à disposição para dirimir eventuais dúvidas, eis que é de seu absoluto interesse provar sua inconteste inocência”.

Carolina Castro Carolina Castro

Tenho 25 anos e sou formada em jornalismo. Desde criança desenvolvi o gosto por esporte e por isso escolhi ser jornalista. Foi a profissão que me deixou mais próxima daquilo que mais amo: falar e escrever sobre esporte.