O Cruzeiro, em nome de sua direção, confirmou nesta última segunda-feira - 17 de maio que fez denúncia contra o meia Yeison Guzmán ao tribunal da FIFA na tentativa de obter uma indenização pela desistência do colombiano de se transferir para o clube.

O fato ocorreu em abril deste ano, onde no dia 20 do mesmo mês, cinco dias antes de assinar um pré-acordo com o time mineiro, o jogador de 23 anos mudou de ideia e decidiu permanecer no Envigado - da Colômbia.

Na ocasião, o Cruzeiro chegou a dar um prazo de 15 dias ao atleta para ele se apresentar na Toca da Raposa II, em Belo Horizonte; como o jogador não acatou a ordem, resolveu então levar o caso a FIFA.

Entenda o caso

Na época, o Cruzeiro enviou a equipe colombiana valores dos salários, bonificações, tempo de contrato e valores a serem pagos pelos direitos econômicos; termos esses aceitos pelo clube e também pelo jogador, donde no dia 15 de abril fora feito o anúncio da transferência.

No entanto, uma semana depois, Yeison voltou atrás de sua decisão sob influência de seu empresário, que teria ficado insatisfeito por não ter participado das tratativas entre os clubes.

Desta forma, o presidente do Envigado - Ramiro Ruiz, que havia tratado o documento enviado pelos brasileiros como carta e não como contrato, avalizou a negociação e lamentou a desistência da transferência.

O Cruzeiro contrataria o jogador com ajuda de um parceiro investidor, onde o clube compraria parte dos direitos federativos de Guzmán avaliado na casa dos US$ 1,2 milhão - algo em torno de R$ 6,5 milhões, sendo que destes, R$ 2,7 milhões seriam pagos no ato da transferência.

Enquanto o processo estiver em andamento, qualquer clube que eventualmente vier a contratar o jogador em questão poderá ser responsabilizado solidariamente em um possível deferimento por parte da FIFA no processo movido pelo Cruzeiro.