A torcida do Grêmio espera ansiosamente, mas é questão de tempo para que o meia-atacante Douglas Costa seja anunciado oficialmente como novo reforço tricolor. Juventus e Grêmio trocam detalhes do contrato, que terá validade até dezembro de 2023, somando todos os processos burocráticos e legais.

Entretanto, a negociação não foi fácil. Diversas alternativas e situações foram afastando e aproximando um possível acordo, que agora está sacramentado. Mas a grande pergunta é: Por que tudo se tornou mais acessível com a negociação por empréstimo? Mesmo que, na prática, este fato não tenha grande diferença, é importante entender o que impacta, principalmente na vida da Juventus, nessa que é a maior contratação da história do Grêmio.

Por que contratação de Douglas Costa com o Grêmio é por empréstimo

Basicamente, existem duas situações muito importantes que fizeram com que, por solicitação da Juventus, a chegada de Douglas Costa ao Grêmio seja por empréstimo. Dentre fair play financeiro e tempo de janela de transferências, as tratativas tomaram um caminho completamente oposto ao que era imaginado no início.

Fair play financeiro

De forma até surpreendente, a Juventus, uma das maiores potências do futebol mundial, vem sofrendo com problemas financeiros nesta temporada. A queda de receitas por conta da pandemia, e o resultado abaixo do esperado dentro de campo, principalmente com jogadores de altíssimo custo como Cristiano Ronaldo, geraram readequação no orçamento do clube.

Além disso, o clube italiano tem débitos pendentes com o jogador. O valor, que é de aproximadamente 3 milhões de euros (R$19,3 milhões na cotação atual) será pago de forma parcelada, conforme de vontade da Juventus. O staff de Douglas Costa tinha o desejo de receber o valor à vista, mas isso não ocorreu. Sendo assim, o contrato de empréstimo foi feito para que este débito seja pago mensalmente.

Douglas Costa deve ser anunciado pelo Grêmio como novo reforço nas próximas horas. (Foto: Reprodução)
Douglas Costa deve ser anunciado pelo Grêmio como novo reforço nas próximas horas. (Foto: Reprodução)

Janela de transferências na Europa impede rescisão com o Bayern de Munique

Existe outro ponto que é fundamental para que a negociação tenha sido realizada neste molde. Atualmente, a janela de transferências na Europa está fechada, e de acordo com as regras estabelecidas pela FIFA, é impossível que haja a rescisão de um empréstimo. Esse era o desejo do Grêmio para que tudo fosse mais simples.

Entretanto, o vínculo de empréstimo do atleta com o Bayern tinha duração até 30 de junho, e com isso, não existiria tempo hábil para qualquer inscrição. Por isso, a operação envolveu um novo empréstimo, do Bayern de Munique, para o Grêmio. Só assim, a negociação avançou neste momento.

FIFA enviou autorização para negociação fora de prazo

Como dito acima, toda esta operação foi realizada fora da janela de transferência na Europa, e isso gerou um processo burocrático muito grande, que atrasou inclusive a conclusão do negócio.

Mesmo que a janela de transferências no Brasil esteja aberta, isso em tese não avalizava o negócio fora do tempo hábil na Europa. Por isso, a Juventus deve de solicitar junto à FIFA uma "autorização excepcional", e apenas tendo este documento em mãos, é possível a inscrição no TMS.

O que é o TMS?

O TMS (Transfer Matching System) é uma plataforma criada pela FIFA para a inscrição de jogadores e transferências envolvendo países diferentes. O objetivo é dar mais segurança aos atletas profissionais, e também diminuir a burocracia no processo de transferências no mundo todo.

Quando é necessário que as transferências e inscrições sejam feitas fora do prazo das janelas de cada país, os clubes envolvidos solicitam esta autorização especial, e apenas por isso é que vários clubes realizam contratações nos últimos minutos do período hábil. Entretanto, vale lembrar que: No país em que o jogador terá seu novo contrato, a janela PRECISA estar aberta. Só assim, este procedimento é possível.

Como será o contrato de Douglas Costa com o Grêmio

Como dito acima, Douglas Costa chegará ao Grêmio em um contrato de empréstimo junto a Juventus. Este empréstimo terá validade de uma temporada, ou seja, até a metade de 2022, quando se encerra o vínculo de Douglas Costa com o clube italiano.

Depois disso, o vínculo do jogador terá renovação automática de mais um ano, ou seja, o contrato terá duração total de 2 anos e 6 meses, se encerrando em dezembro de 2023.

Os salários, de acordo com que informa a imprensa gaúcha, terão custo de R$800 mil fixos, além de metas e cláusulas de produtividade que podem gerar vencimentos de R$1,5 milhão mensais.

Vontade do jogador foi determinante na negociação

Desde o início, Douglas Costa fez sua vontade de retornar ao clube de coração ser determinante nas tratativas. O jogador de 30 anos de idade recusou diversas propostas, do Atletico de Madrid e do mundo árabe, por exemplo, para se preocupar exclusivamente com o seu retorno ao Grêmio.

Vale lembrar que, Douglas Costa tinha vencimentos de 6 milhões de euros por temporada na Juventus (cerca de R$43 milhões). Com o seu retorno ao Grêmio concretizado, o jogador terá uma redução de aproximadamente 65% do que vinha recebendo no futebol europeu.