Conmebol pune árbitros do jogo entre Argentina e Brasil pela eliminatórias

Andrés Cunha e Esteban Ostojirch foram punidos pela entidade máxima do futebol sul-americano por tempo indeterminado; veja o por que.

A Conmebol anunciou nesta quarta-feira – 17 de novembro a suspensão de dois árbitros que atuaram no duelo entre Argentina e Brasil, no empate em 0 a 0 pelas Eliminatórias da Copa do Mundo de 2022.

Os profissionais suspensos foram: Andrés Cunha e Esteban Ostojich, que estava em campo e no VAR, respectivamente.

Ambos foram punidos pela comissão de arbitragem da entidade máxima do futebol sul-americana por não terem mostrado cartão vermelho ao zagueiro argentino Otamendi, que acertou uma cotovelada no rosto do meio-campista brasileiro Raphinha.

Entenda o caso:

O ato ocorreu aos 33 minutos do primeiro tempo e chegou a ser analisado pelo VAR, no entanto, Ostojich considerou que a cotovelada teria sido de “intensidade média”, mesmo com o sangramento na boca do jogador brasileiro, ponderando que seria um lance de cartão amarelo; por sua vez, Cunha nem viu a existência do golpe, assim como seu assistente, Richard Trinidad.

Na nota, a Conmebol considerou a atuação dos dois profissionais incoerentes, “sendo considerada grave” e manifesta no exercício de suas funções no desenvolvimento da partida.

O documento em questão fora assinado por Wilson Seneme – brasileiro que preside a Comissão de Arbitragem da Conmebol. A punição é “por tempo indeterminado”.

Tite – técnico da seleção brasileira indignado

A não expulsão do zagueiro argentino revoltou o treinador Tite, que na coletiva após o empate em 0 a 0, no último jogo da seleção em 2021, chegou a se exaltar, dizendo que seria “impossível” a cotovelada não ter sido vista por quem quer que fosse (aqui se referindo à arbitragem).

MüllerMüller

A paixão pelo futebol foi um dos principais motivos da criação do Minha Torcida. O site reúne informações, curiosidades e muito conteúdo exclusivo para você que é amante do esportes em geral e que curte também outras modalidades.