Através de um comunicado, a Confederação Brasileira de Futebol – CBF declarou que “não há irregularidade” na transferência de Pedro Henrique do Inter para o Sport Recife, segundo o próprio diretor de competições – Manoel Flores.

Porém, o mesmo deixou claro que o tema em questão deve ser ainda analisado pelo Superior Tribunal de Justiça Desportiva, uma vez que há uma ação do Grêmio alegando irregularidade dos pernambucanos.

Segundo a própria CBF, “no caso específico do Campeonato Brasileiro Série A 2021, o critério para a quantificação do número máximo de jogos que um atleta poder fazer por um determinado clube, antes de se transferir para outro na mesma competição, é baseado apenas no ato do atleta iniciar a partida na condição de titular ou entrar em campo no decorrer da mesma como substituto”.

Outros clubes entram na justiça conta o Sport

Além do Grêmio, outros clubes na última sexta-feira ingressaram com uma ação contra o Sport por suposta escalação irregular de Pedro Henrique na Série A, são eles: América-MG, Atlético-GO, Bahia, Ceará, Chapecoense, Cuiabá, Juventude e Santos.

Os clubes em questão alegam que o jogador do Sport infringiu o artigo 43 do Regulamento Geral de Competições, que diz o seguinte:

“O fato de ser relacionado na súmula na qualidade de substituto não será computado para aferir o número máximo de partidas que um atleta pode fazer por um determinado clube antes de se transferir para outro da mesma competição. Porém, se, na condição de substituto, o atleta fora apenado pelo árbitro será considerada como partida disputada pelo infrator, para fins quantitativos do número máximo a que alude o caput deste artigo”.

Mesmo com o que diz tal artigo, a CBF sustenta o argumento do Sport, que defende que o “REC” prevalece sobre o “RGC” neste caso.

Assim, a Confederação Brasileira de Futebol conclui que “no caso específico da presente consulta, em razão da prevalência do REC, deve ser considerada a atuação do atleta Pedro Henrique pelo Internacional em cinco partidas pelo Brasileirão Série A 2021, de modo que não há irregularidade em sua transferência ao Sport Clube Recife”.

Entenda o caso

A discussão aqui se dá porque, no início desta edição da Série A do Campeonato Brasileiro, o jogador em questão disputou cinco jogos com a camisa do Inter e recebeu dois cartões amarelos e outras duas estando no banco de reservas.