Clima quente no Vasco: Jogadores cobram direção por atrasos de salários

Sem manifestações abertas aos repórteres em entrevistas, foi sabido nesta última sexta-feira que parte do elenco do cruzmaltino teve uma reunião com a direção para exigir o pagamento de atrasados.

Por Müller
Compartilhe

A última sexta-feira no Vasco ficou marcada pelo treino fechado para a imprensa e pela reclamação no CT do Almirante. Incomodados com o constante atraso salarial, os jogadores do cruzmaltino cobraram a direção pela regularização do débito dois meses da CLT, parte do 13º, férias e cinco meses de direitos de imagem. O fato ocorreu em uma reunião com André Mazzuco, diretor executivo de futebol. Os jogadores não se recusaram a trabalhar, pelo contrário. Os atletas mantiveram o comprometimento demonstrado desde o começo da pré-temporada, nos jogos e nas recentes classificações na Copa do Brasil e na Sul-Americana.

A primeira amostra da insatisfação dos jogadores deu-se ainda na quinta-feira, quando chegaram ao Rio de Janeiro após classificação na Bolívia, contra o Oriente Petrolero. A assessoria do Vasco avisara à imprensa que Ricardo Graça e Leandro Castan falariam no desembarque, mas isso não aconteceu devido ao atrito referente aos atrasos.

Alguns dos atletas não receberam a parte do 13º salário que estava em aberto com o grupo e isso gerou muita reclamação dentro do grupo.

Jogadores do Vasco chegaram ao Rio de Janeiro sem dar entrevistas após classificação na Sul-Americana.
Jogadores do Vasco chegaram ao Rio de Janeiro sem dar entrevistas após classificação na Sul-Americana.

Após o retorno na quinta-feira da Bolívia, onde a equipe empatou com o Oriente Petrolero e avançou à segunda fase do torneio internacional, os titulares fizeram uma atividade física e os reservas, um coletivo.

Nesta reunião acima citada, Mazzuco ouviu reclamação pelo fato de, na quinta, apenas a primeira parcela do 13º salário do ano passado ter sido depositada. Além disso, foi questionado sobre a demora no pagamento. Dias atrás, antes da reunião desta sexta, portanto com antecedência, o dirigente avisou que a ideia do clube de regularizar parte dos atrasados com uma verba de patrocínio retida pela Caixa havia sido frustrada - lembrando que a justiça derrubou a liminar do clube permitindo a utilização deste recurso.

Na reunião, os jogadores colocaram que estudam parar de dar entrevistas. Seria uma maneira de protestar. Desde o começo do ano, sempre que questionados sobre o tema, evitaram reclamar publicamente. Sempre afirmaram entender a situação e o esforço da direção em resolver o problema. Internamente, porém, o clima não é totalmente tranquilo.

Sem jogo até o dia 29, quando enfrentará o Resende, na abertura do segundo turno do Carioca, o Vasco deu folga aos jogadores no sábado e no domingo. Definido previamente, a segunda - dia da reapresentação, com a terça tendo treinos fechados e sem entrevistas.

Na quinta, mesmo dia em que o mês de janeiro venceu, a direção pagou parte da remuneração de novembro de funcionários. O atual débito é o seguinte:

Jogadores: dezembro, janeiro, 13º (segunda parcela) e férias (CLT) e cinco meses de direitos de imagem.

Funcionários: dezembro (quem recebe acima de R$ 1,8 mil), janeiro, 13º e férias (CLT).

Torcedor: compartilhe
Siga nas redes
Comentários
Carregar comentários
Assista ao nosso último vídeo:
Inscreva-se no canal