Vítima de um câncer no cérebro, Eurico Miranda - o mais "lendário" dirigente do Vasco da Gama e porque não do futebol brasileiro, saiu de cena no começo desta tarde de terça-feira, aos 74 anos. O ex-presidente do Cruz-Maltino e atual presidente do Conselho de Beneméritos do clube veio a falecer no hospital na Barra da Tijuca.

Com seu estado de saúde agravado nos últimos meses, Eurico Miranda pouco foi visto neste ano; a sua última aparição havia sido ainda em novembro do ano passado, quando participou de uma reunião do "Conselho Deliberativo" do clube, onde nesta mesma já havia anunciado que diminuiria a frequência de suas visitas ao Vasco - a família do ex-dirigente montou uma espécie de "UTI" em sua casa - como home care e enfermeiras se revezando para cuidar da saúde do ex-presidente vascaíno, que tinha visitas de pessoas mais próximas controladas por familiares.

Levado as pressas nesta manhã de terça-feira ao hospital já citado nesta matéria, Eurico Miranda não resistiu e morreu há poucos minutos atrás. Ele já se encontrava em estado debilitado desde o início de 2018, mas mesmo assim, permaneceu como figura presente em jogos e eventos do Vasco, em São Januário.

Esse não foi o único câncer que atacou o dirigente vascaíno e ex-deputado - antes de descobrir essa doença no cérebro, Eurico Miranda já havia vencido um câncer de bexiga e outro no pulmão.

Eurico Miranda que saiu de cena nesta tarde presidiu o clube Vasco da Gama em dois períodos: o primeiro de 2003 a 2008 e o segundo de 2015 a 2017 - sendo ainda vice-presidente de futebol do clube carioca entre os anos de 1990 a 2002, onde conquistou o Campeonato Brasileiro de 1997, a Copa da Libertadores de 1998, a Copa João Havelange em 2000 e a Copa Mercosul no mesmo ano.