De féria no exterior, o ex-técnico argentino do Santos - Jorge Sampaoli concedeu uma rara entrevista na noite desta última segunda-feira, na Espanha, para a agência de notícias "EFE", onde falou sobre o "não" para Santos e Palmeiras. O treinador explicou a diferença para o Flamengo nesta temporada durante as justificativas - clube esse que poderá vir a comandar em 2020, caso Jorge Jesus não permaneça após o Mundial de Clubes.

"Tivemos um grande ano, no qual conseguimos a maior quantidade de pontos da história do clube, onde saímos vice-campeões e estivemos muito perto de conquistar o objetivo. Nos classificamos para a Libertadores. Para o próximo ano, o clube tinha uma transição que não permitia fazer coisas importantes na Libertadores ou no torneio local e decidimos cortar o vínculo. O melhor para o Santos e para mim, ao não coincidir com as posturas, é que cada um siga seu caminho", disse o comandante técnico durante premiação do jornal "Sport", antes de falar sobre o Palmeiras.

Jorge Jesus atualmente está sem clube - mas segue na mira do Racing - da Argentina e como possível substituto de Jorge Jesus no Flamengo.
Jorge Jesus atualmente está sem clube - mas segue na mira do Racing - da Argentina e como possível substituto de Jorge Jesus no Flamengo.

"Não chegamos a um acordo nem no econômico nem nas posturas esportivas. O Flamengo se distanciou muito em referência aos demais. Minha ideia de ficar no país era para brigar pelo Brasileiro. Não deu certo", afirmou.

Na verdade, Jorge Sampaoli nesta entrevista tentou desviar sobre o futuro. A seleção equatoriana tem interesse em seu trabalho, no entanto, o argentino gostaria de dirigir o Flamengo se Jorge Jesus não permanecer no Brasil - conforme já declaramos.

"Não sei. Onde o futebol disser, onde eu esteja perto do que minha expressão futebolística me faça feliz dentro de um campo de jogo. No lugar onde esteja, seguramente, serei feliz", finalizou.