Daqui a pouco mais de 10 dias, o Fortaleza fará uma das partidas mais importantes na história de sua existência: indo a Buenos Aires para jogar pela 1ª vez a Copa Sul-Americana. O duelo será contra o multicampeão Independiente, o que dará ainda mais holofotes ao clube para além do Brasil. O confronto ocorrerá no dia 13 de fevereiro, às 21h30, no estádio Libertadores de América, na Argentina.

Se por um lado é a primeira vez que um clube cearense faz um jogo de competição internacional fora do Brasil, para seu comandante técnico jogar na Argentina já é algo que está na vivência, se pegarmos a sua história como goleiro do São Paulo. E foi justamente sobre esse período que Ceni comentou sobre o assunto em coletiva, após a vitória diante do Caucaia pelo Campeonato Cearense.

Rogério Ceni - treinador do Fortaleza.
Rogério Ceni - treinador do Fortaleza.

"Eu pude assistir a Boca Juniors x Independiente - no dia 26 de janeiro, no empate em 0 a 0 e é um jogo de muita intensidade do time do Independiente. Joga com muita intensidade, marcando alto e a gente vai tentar modelar um time que possa ser competitivo, que possa jogar de igual para igual com um time que empatou com o Boca Juniors na casa do Boca. Temos mais três jogos ainda, vamos fazer experiência, para tentar definir o melhor time para o jogo talvez mais importante da história do Fortaleza, mesmo sabendo da dificuldade. Eu sei porque joguei muitas vezes com o São Paulo na Argentina. Venci uma, empatei algumas, perdi a maioria. Mas quem sabe a gente possa ter uma história diferente com o Fortaleza", declarou o treinador.

Antes da estreia do clube pela Sul-Americana, o Fortaleza de Ceni terá pela frente o Clássico-Rei contra o Ceará, neste sábado. Além disso, o jogo do dia 5 de fevereiro diante do Atlético-CE pelo estadual e no dia 8 de fevereiro diante do Santa Cruz pelo Nordestão. Nestes duelos é que Rogério Ceni tentará aprimorar o time que irá atuar em Buenos Aires. Dentre as possibilidades, o treinador deverá manter o time-base, com: Felipe Alves, Gabriel Dias, Juan Quintero, Felipe, Juninho, Romarinho, Osvaldo e Wellington Paulista são nomes titulares da confiança do técnico.

"Estamos em época de pré-temporada para a gente ainda, por isso que nós estamos pensando em um jogo por semana e a gente continua essa pré-temporada por mais uma semana para tentar melhorar a condição técnica e física até o jogo da Sul-Americana contra o Independiente, quando temos de ter um time mais pronto, porque é um jogo mais pesado", afirmou.

Ainda há detalhes essenciais: vôo da torcida com o elenco em avião fretado pelo clube e presença maciça da torcida do Leão, que, em quatro horas, esgotou as 1500 entradas disponíveis na capital cearense. Ainda há carga de ingressos na Argentina e o clube tenta trazer para a venda em Fortaleza.

"Eu fico muito contente porque eu, por exemplo, não nasci Fortaleza, mas me tornei com o passar do tempo e tenho o Fortaleza no coração. Mas tem muita gente com quem eu convivo que tem o pai com 80 anos e que torce Fortaleza. O filho tem a minha idade e também é Fortaleza e que nunca teve a oportunidade de jogar um jogo assim desse tamanho. Então eu imagino... Se eu fico emocionado por vê-los, eu imagino a emoção de quem nasceu Fortaleza, de quem é Fortaleza de coração desde a infância. Poder viver uma situação como essa. Os que não puderem ir, eu tenho certeza que vão estar nos esperando no jogo do dia 27 aqui com o Castelão cheio. Nós vamos tentar fazer uma partida na qual a gente se mantenha vivo. Não vamos jogar para trás, nada disso. Vamos jogar tentando vencer o jogo, o que é muito difícil, mas nós vamos tentar. Vamos tentar estar melhor preparados. Temos duas semanas para trabalhar, evoluir, quem estiver com a gente lá vai ser uma experiência única até o dia de hoje que vai se viver. Um time que surgiu para o cenário internacional esse ano enfrentar o maior vencedor de Libertadores, então é um sentimento de orgulho do torcedor do Fortaleza de estar vivendo esse momento", finalizou Rogério Ceni.