Médico da Seleção Brasileira desembarca em París para analisar caso de Daniel Alves

Se Daniel Alves não conseguir se recuperar a tempo para o Mundial, Tite terá como opções para o lugar do lateral, jogadores como: Fagner, Danilo ou Rafinha.

Por
Compartilhe

Com a aproximidade da divulgação da lista dos jogadores que serão convocados para representar o Brasil na Copa do Mundo, da Rússia, a Confederação Brasileira de Futebol – CBF enviou até París o médico da seleção brasileira para acompanhar de perto a situação de Daniel Alves e também a recuperação de Neymar.

Médico da seleção brasileira - Rodrigo Lasmar e Edu Gaspar na chegada a París.Médico da seleção brasileira - Rodrigo Lasmar e Edu Gaspar na chegada a París.

Rodrigo Lasmar – médico da seleção brasileira, desembarcou nesta manhã de quinta-feira em Paris acompanhado de Edu Gaspar – coordenador de seleções da CBF para analisar os dois casos – o primeiro, envolvendo Daniel Alves é o que atualmente preocupa mais a comissão técnica do Brasil, visto que Neymar está em processo final de recuperação de sua cirurgia no pé direito.

De acordo com a própria CBF, Lasmar se dirigiu até a França para descobrir o real estado de saúde do lateral-direito, para posteriormente enviar o seu diagnóstico para a comissão técnica que é comandada pelo técnico Tite. Além desta análise, Lasmar e Edu Gaspar irão se reunir com o departamento médico do Paris Saint-Germain para estreitar as informações e assim evitar qualquer tipo de informação irreal.

Daniel Alves teve uma grave desinserção do ligamento cruzado anterior com entorse póstero-externo, ao qual solicita de três semanas no mínimo para recuperação – a lesão ocorreu na última terça-feira, quando o PSG derrotou o Les Herbiers por 2 a 0 na decisão da Copa da França.

Se caso o médico da seleção brasileira achar que Dani Alves não conseguirá se recuperar a tempo para o Mundial, Tite terá como opções para o lugar do lateral, jogadores como Fagner, Danilo ou Rafinha.

A convocação da seleção brasileira será na próxima segunda-feira, na sede da CBF, no Rio de Janeiro.

Comentários