Considerado por muitos como o maior clube de futebol do Brasil e um dos mais temidos no cenário sul-americano, o São Paulo FC é um dos maiores vencedores do esporte nacional. Venceu a Copa Libertadores da América em três edições, bem como duas edições da Copa Intercontinental, além do Mundial de Clubes do ano de 2005, e o Campeonato Brasileiro em seis oportunidades.

E, mesmo um clube com tanta história e com tantas conquistas, tem alguns momentos ruins. Foi justamente pensando nisso que iremos elencar neste artigo quais são os 5 maiores vexames da história da São Paulo FC. Confira:

Os 5 maiores vexames da história do São Paulo FC

5º- Cobreloa 3x1 São Paulo FC ( Copa Libertadores da América de 1987):

Após vencer o Campeonato Brasileiro de forma extremamente emocionante, o São Paulo voltava a disputar a competição continental após 5 anos. Entretanto, a campanha na fase de grupos foi decepcionante, e com apenas 4 pontos conquistados em seis partidas, o tricolor paulista amargou a última colocação de seu grupo, que teoricamente era bem acessível. A derrota para o Cobreloa selou a eliminação do time.

(Foto:Divulgação/Arquivo/São Paulo FC)
(Foto:Divulgação/Arquivo/São Paulo FC)

4º- São Paulo FC 1x1 Defensa y Justícia (Copa Sul-Americana 2017):

No ano de 2017, o São Paulo enfrentou o Defensa y Justícia, pela Copa Sul-Americana de 2017. Após empatar sem gols em solo argentino, o time novamente empatou, mas dessa vez com gols, e pelo critério do gol qualificado, acabou sendo eliminado para os argentinos, que faziam sua primeira participação em uma competição continental. O time, que na época era comandada por Rogério Ceni, entrou para a história do clube, mas de forma bastante negativa.

(Foto:Divulgação/CONMEBOL/São Paulo FC)
(Foto:Divulgação/CONMEBOL/São Paulo FC)

3º- São Paulo FC x Corinthians (Campeonato Paulista 2002):

Ser eliminado pelo maior rival é extremamente frustrante. Entretanto, esta situação foi ainda pior, pois o tricolor paulista sofreu 2 eliminações para o Corinthians em um curto intervalo de 12 dias. Na primeira eliminação, em duelo válido pela semifinal da Copa do Brasil de 2002, o Corinthians venceu por 2x0 no duelo de ida, e após vitória do tricolor paulista por 2x1 no jogo de volta, o Timão foi a grande final.

Quatro dias depois, os dois rivais encontravam-se novamente, agora pela partida de ida da final do Rio-São Paulo. 3 a 2 para os da Zona Leste, com direito a um golaço de Gil, o Legislador. Além dele, marcaram Deivid e Leandro Gianecchini para os alvinegros e Adriano e Belletti para os tricolores.

Na partida de volta, o São Paulo até começa a partida vencendo, com um gol marcado logo aos 2 minutos, dando esperança para a torcida são-paulina, mas um gol aos 22 minutos do segundo tempo confirmou a eliminação do São Paulo pela segunda vez para o Corinthians, dando o título paulista para o rival e entrando para a história das maiores frustrações do clube do Morumbi.

(Foto:Arquivo/ Corinthians)
(Foto:Arquivo/ Corinthians)

2º- Portuguesa 7x2 São Paulo ( Campeonato Brasileiro de 1998):

Sem dúvidas, o Campeonato Brasileiro de 1998 foi o pior da história do São Paulo FC. Além de ser o primeiro em uma das piores administrações do clube, teve uma grave contusão de Raí, e pelo fato de todos os grandes rivais terem se classificado para as próximas fases (Corinthians em 1º, Palmeiras em 2º, Santos em 4º e Portuguesa em 6º), pela péssima campanha (15º lugar, 8 v, 3 e, 12 d), pelo título do Corinthians e principalmente pelo que ocorreu naquela tarde de 20 de Setembro.

Na fatídica partida, o tricolor paulista foi derrotado de forma absolutamente humilhante pelo placar de 7x2, e manchou a vitoriosa história do clube como a pior goleada já sofrida em sua história. O técnico, como não poderia deixar de ser, era Nelsinho Baptista que a partir desta data deu início ao ciclo do NelSETE.

(Foto: Reprodução)
(Foto: Reprodução)

1º- São Paulo FC 1X3 Palmeiras (1942):

Seu time já abandonou o gramado durante um clássico? Se a resposta for positiva, compartilho com vocês um cenário pior, pois o São Paulo FC abandonou um clássico durante a concepção do mesmo. "Como assim?" Vocês devem estar se perguntando, já que o primeiro jogo entre Palestra Itália e São Paulo data de 1930. Por isso mesmo, pois o Choque-Rei só tomou os tons que ele tem hoje depois que o Palestra tornou-se Palmeiras, em Setembro de 1942.

O Palmeiras começa dominando a partida, e aos 19 minutos Cláudio abre o placar. Waldemar empata minutos depois, mas antes dos times descerem aos vestiários Virgílio (contra) põe o Palmeiras novamente em vantagem. Aos 14 minutos da etapa complementar Echevarrieta aumenta a diferença. Cinco minutos depois, Virgílio é expulso após dar um carrinho em Og. No lance seguinte Leônidas sofre falta violenta de Junqueira, e o árbitro Jayme Janeiro nada faz.

Revoltados os jogadores do São Paulo interrompem a partida e abandonam o campo, seguindo ordens do presidente. Está consumado o papelão. Quando o relógio alcança o terceiro quarto de hora, Janeiro dá fim à partida e o Palmeiras é declarado campeão. Diante da decisão, os torcedores são-paulinos invadem o gramado em busca do árbitro, que precisou de auxílio policial para sair do estádio.

(Foto: Gazeta Press)
(Foto: Gazeta Press)