São Paulo é o clube entre os grandes que mais troca de treinador no Brasil

Após a saída de Muricy Ramalho, o São Paulo já trocou seis vezes de treinador e utilizou mais três como interinos.

Por
Compartilhe

Dorival Júnior ganhou mais um tempo no comando técnico do São Paulo – treinador que sofre forte pressão interna e externa recebeu mais uma chance da direção paulista, pelo menos até a próxima quarta-feira, quando o São Paulo encara o CRB pela terceira fase da Copa do Brasil, no estádio Morumbi.

Com mais um resultado não muito agradável para torcedores e alguns dirigentes no último final de semana, quando o Tricolor empatou com a Ferroviária, pelo Campeonato Paulista, Dorival balançou feio no cargo, mas mesmo assim foi mantido pela direção do clube. Sabedor de sua situação, o treinador em sua coletiva pediu que as pessoas mudassem com esse hábito de demitir técnicos a toda hora.

Dorival Júnior corre sério risco de ser demitido no São Paulo.Dorival Júnior corre sério risco de ser demitido no São Paulo.

Porém o São Paulo é um dos clubes que mais trocou sua comissão técnica nos últimos anos. O último treinador que permaneceu por mais de uma temporada a frente do time tricolor, foi o ex-treinador Muricy Ramalho, que permaneceu no cargo por um ano e meio, antes de deixar o time em comum acordo com a diretoria.

Após a saída de Muricy – dois anos e dez meses, o Tricolor mudou seis vezes a sua comissão técnica e contou com mais três interinos. Passaram pela “casa-mata” do São Paulo nomes como: Juan Carlos Osorio, Doriva, Edgardo Bauza, Ricardo Gomes e Rogério Ceni – além desses que foram efetivados como treinadores, Milton Cruz, Pintado e André Jardine – ex-auxiliares comandaram a equipe interinamente.

Se não contarmos os três interinos, o São Paulo trocou de técnico a cada 5,6 meses de trabalho. Doriva foi o que menos tempo permaneceu, ficando um pouco mais de um mês no comando técnico são-paulino.

Após a saída de Muricy Ramalho, Bauza e o próprio Dorival Júnior, já são os que mais tempo conseguiram permanecer no cargo, com mais de seis meses a frente da comissão técnica tricolor.

É bom salientar que assim como Bauza, Osorio também não foi demitido, mas sim pediram para sair – um assumiu a seleção mexicana e o outro a seleção colombiana, porém ambos já estavam desgastados a frente do time e provavelmente não iriam durar muito tempo no cargo.

Comentários