Ao assumir o comando do São Paulo, o novo presidente do Tricolor já sabia que teria que administrar uma dívida de R$ 580 milhões, sendo que desse valor, R$ 10 milhões dizem respeito a um dos principais atletas do atual elenco paulista - aqui nos referimos a Daniel Alves, do qual o clube quer sua permanência.

Com contrato válido até o final de 2022, a nova direção do clube trabalha em cima de fórmulas para sanar com o problema aqui em questão, onde deverão usar parte do valor da venda do atacante Brenner - negociado ao futebol norte-americano.

Redução de despesas

Mesmo tendo assumido o clube com o objetivo de reduzir gastos num primeiro momento, Casares e seus parceiros têm montado planos para conseguir sanar as dívidas do São Paulo, onde organizaram um comitê financeiro que trabalha justamente em cima de renegociações com credores, e ainda na busca por novas receitas de patrocínio e sócios torcedores.

Situação de Daniel Alves

A situação do meio-campista aqui em questão - lateral de origem, não é a mais fácil para ser solucionada, onde em entrevista ao site "GE" o diretor de futebol do Tricolor - Carlos Belmonte admitiu dificuldade com o jogador, mas que estão atrás de soluções.

"Tivemos uma conversa com o Daniel. Ele tem o desejo de continuar conosco e a gente deseja que ele permaneça. É tentar ajustar da melhor forma possível esses pagamentos. Se não for possível, a gente conversa em um outro formato", declarou o dirigente.

Daniel Alves está no São Paulo desde agosto de 2019, quando fora contratado para ajudar a colocar o time de volta no caminho dos títulos; o mesmo chegou para atuar no meio-campo e não em sua posição de origem: a lateral. Aos 37 anos, ele é atualmente um dos líderes do grupo dentro de campo e nos vestiários.

Sem ter donde tirar dinheiro a não ser de vendas de jogadores - que também anda escassa por conta da pandemia, o São Paulo tenta buscar alternativas para quitar todas essas dívidas, e o adiantamento de cotas de TV e participação nas competições são algumas dessas alternativas mais imediatas. Lembrando que a Conmebol irá oferecer US$ 95 milhões aos clubes mais necessitados das suas competições. O São Paulo por sua vez que está na Libertadores 2021, poderá se quiser, utilizar essa verba se assim achar necessário.