Sem futebol em campo, o Santos vê dias difíceis pela frente nas próximas semanas, nem tanto pelo retorno aos gramados, mas sim por sua situação junto a FIFA e com relação a briga política interna do clube.

Na mira da entidade máxima do futebol por conta de dívidas com outros clubes, o "Peixe" aguarda por duas reuniões do Conselho Deliberativo como decisivas para o seu futuro - lembrando o caso ocorrido com o Cruzeiro recentemente.

A primeira destas reuniões está marcada para ocorrer na próxima semana, onde esses conselheiros irão votar o parecer da Comissão de Inquérito e Sindicância sobre as contas do ano de 2018, que foram reprovadas. Nesta reunião os mesmos irão julgar se o presidente do Santos - José Carlos Peres cometeu atos de irresponsabilidade administrativa.

José Carlos Peres - presidente do Santos - imagem: arquivo
José Carlos Peres - presidente do Santos - imagem: arquivo

Lembrando que esta reunião deveria ter ocorrido em março deste ano, mas por conta da pandemia foi suspensa, junto com as demais atividades do clube. Se o conselho acreditar que houve infração, um processo de impeachment contra o presidente santista poderá ser aberto. Porém, nos bastidores do clube a direção se mostra tranquila e acredita que o caso possa ser encerrado.

Já com relação à outra reunião em pauta, essa não deverá ser tão "tranquila" e deve ser realizada ainda neste mês. Após votar o relatório da Comissão de Inquérito e Sindicância, o Conselho Deliberativo do Santos irá novamente se reunir para desta vez discutir o parecer do Conselho Fiscal sobre as contas de 2019.

O documento aqui em questão recomenda a reprovação das contas do último ano por vários motivos, entre eles gastos não justificados com cartões corporativos, pagamentos de comissões para empresários de atletas e transferência do atacante Bruno Henrique ao Flamengo.

O "Peixe" é também alvo de processos envolvendo o clube chileno - Huachipato, o clube belga - Club Brugge, o clube russo - Kasnodar e o clube colombiano - Atlético Nacional junto a FIFA. Se for punido, o Santos poderá sofrer sanções semelhantes às ocorridas com o Cruzeiro e ainda uma pena maior que poderá levá-lo ao rebaixamento.