Mesmo com Jorge Sampaoli declarando que está 100% focado no Flamengo e desconversa sobre sua possível saída do "Peixe" no final da temporada, o clube santista já pensa em uma "solução caseira" para substituir o técnico argentino caso esse optar por sair ao fim deste ano: Jorge Desio - seu auxiliar. O profissional em questão ainda não foi procurado pelo clube, mas é considerado reposição ideal por alguns membros da diretoria. Esse assunto foi levantado nos últimos dias e as referências ouvidas foram ótimas. O profissional é querido pelo elenco e funcionários, conhece a metodologia de trabalho e os atletas da base e possui estilo diferente em relação à Sampaoli, calmo e apaziguador.

No entanto, o Santos sabe da dificuldade que teria para ouvir o "sim". Os dois profissionais se conheceram no início da década de 90, em Rosário na Argentina e estão juntos desde 1994, no Alumni - time de Casilda. Preparador físico em alguns momentos, Desio só ficou fora da comissão de Sampaoli na passagem pelo Juan Aurich, do Peru; onde esse sempre se remete ao treinador como "chefe".

Procurado pelo site "Gazeta Esportiva" para comentar a possibilidade de vir a comandar o clube, Jorge Desio preferiu se resguardar.

"Te respondo pois não quero ser desatento, mas nós da comissão técnica tentamos não falar com a imprensa, exceção ao treinador e me corresponde fazer o mesmo", disse o auxiliar.

O Santos tem como prioridade a permanência do Argentino - na Vila Belmiro e tenta convencer Jorge Sampaoli a cumprir o contrato até dezembro de 2020, mas a possibilidade é muito pequena, para isso, o Peixe começa a pensar em um substituto , como no caso de Jorge Desio. Outro nome pensado é o de Sebastián Beccacece - que também trabalhou com Sampaoli e está livre após passagem pelo Independiente. Recentemente, Beccacece esteve em negociação com o Athletico, no entanto, a pedida salarial equivalente a R$ 420 mil por mês assustou a cúpula do "Furacão".