Santos deve definir nesta quinta-feira o futuro do zagueiro Lucas Veríssimo junto ao Conselho Deliberativo. O CD - do Santos irá se reunir no dia de hoje para analisar uma possível saída do jogador, que conta com várias propostas do futebol europeu, entre elas, a do Benfica, que já apresentou valores oficiais.

Aos 25 anos, o defensor quer sair, no entanto, o Santos parece impedir a sua saída, onde lembramos que o jogador conta com uma proposta de 6,5 milhões de euros - algo em torno de R$ 40 milhões da equipe comandada por Jorge Jesus, em Portugal.

Diante deste interesse, o atleta se animou com a possibilidade de vir a jogar na Europa, onde ele entende que chegou o momento para uma transferência deste patamar. Assim como ele, a direção santista também gostaria de que essa negociação se concretizasse, porém, parte do Conselho Deliberativo do "Peixe" é contrária a essa ideia, acreditando que a proposta do Benfica não é tão boa assim.

Como o Santos está muito próximo das eleições a presidente do clube - marcada para o próximo dia 12, o CD precisa aprovar todas as transações envolvendo direitos econômicos de jogadores.

Benfica ainda insiste

Com o Benfica modificando a sua proposta inicial, aceitando agora dar uma entrada de 1 milhão de euros a vista e parcelando o restante em quatro vezes, as chances de Lucas Veríssimo ser vendido ao clube português não melhoraram e ao que tudo indica o Conselho Fiscal do "Peixe" em reunião no Conselho Deliberativo deverá recomendar a reprovação da proposta dos portugueses.

Diante desta possibilidade e ciente do assunto, Lucas Veríssimo não esconde sua chateação com a situação, onde essa ficou bem clara antes da classificação do "Peixe" para as quartas de final da Libertadores, nesta última terça-feira. Com isso, o próprio presidente em exercício do clube - Orlando Rollo conversou pessoalmente com o defensor, onde declarou haver possibilidade de uma negociação.

Pressão para o CD aceitar a proposta do Benfica

Com o jogador cada dia mais insatisfeito com essa situação e com a direção acreditando que se o Conselho Deliberativo não permitir a venda, o clube estrangeiro irá desistir do negócio, essa está metendo pressão sobre os conselheiros, pedindo a aprovação neste caso; isso sem comentarmos da necessidade do clube em fazer caixa para assim conseguir pagar os salários nos próximos meses.