A "visita" de Hulk no último no jogo do Palmeiras, contra o Mirassol, no Allianz Parque atiçou o torcedor "alviverde". Ali estava representando mais um passo na aproximação entre o clube e o jogador. Mas é um processo que está longe de representar uma chegada iminente do atacante ao "Verdão", uma vez que a situação não é tão simples assim.

Por isso, o Palmeiras age aos poucos para cercar o ex-atacante da seleção brasileira. O primeiro passo foi marcar presença, demonstrar interesse. E os próximos dependem de questões alheias ao mero desejo do clube.

Por desencargo de consciência, diante da paralisação das atividades do futebol chinês (consequência da epidemia do coronavírus), o Palmeiras consultou a situação de Hulk no Shangai SIPG, mas se desanimou ao tomar conhecimento do que considerou um salário alto demais para os padrões brasileiros.

Hulk com a família no Allianz Parque - imagem: Tossiro Neto
Hulk com a família no Allianz Parque - imagem: Tossiro Neto

Segundo publicou a revista "France Football" em 2019, o atacante brasileiro, de 33 anos, recebe do clube chinês 23,4 milhões de euros por temporada. São quase R$ 8,5 milhões por mês, um valor que Hulk não está disposto a abrir mão com certeza. Até porque o contrato com o Shangai SIPG vai só até dezembro. Ou seja: dentro de dez meses, ele poderá trocar de clube. E aí entra o Palmeiras, que vive uma nova política de contenção de gastos e espera, para este ano, uma diminuição de R$ 70 milhões com salários, direitos de imagem e encargos trabalhistas. As saídas de alguns jogadores, entre empréstimos e vendas, já representaram uma economia de R$ 48 milhões.

A consulta por Hulk, que já se declarou palmeirense em diversas oportunidades, foi motivada principalmente pela situação excepcional que vive a China, abalada pelo coronavírus. O Palmeiras está atento ao que acontecerá com as competições locais. Somente uma eventual interrupção definitiva do futebol no país pode aumentar as esperanças do clube no momento. Para o futuro, porém, além do carinho, o "verdão" tem uma boa arma: João Paulo Sampaio. O coordenador geral das categorias de base do Palmeiras foi treinador de Hulk nas divisões inferiores do Vitória - e também o responsável por transformar o então lateral em atacante, antes de ele ser promovido ao time profissional e fazer carreira no exterior.

Foi por um convite do hoje dirigente que o jogador esteve na arena no último domingo. "Hulk não descartou a possibilidade de vestir a camisa alviverde a partir de 2021", isso foi o que ele disse a pessoas próximas.

Tê-lo neste momento, com o salário que recebe do clube chinês, é um sonho tratado como impossível pela diretoria do Palmeiras, mas pode ser diferente quando ele estiver livre no mercado.