O presidente do Palmeiras - Maurício Galiotte, estará em viagem nesta quinta e sexta-feira, rumo ao Rio de Janeiro, para se reunir com Jorge Sampaoli e tentar fechar um acordo com o treinador. De férias na "cidade maravilhosa" depois de se desligar do Santos, o profissional mesmo em litígio com o clube santista, se diz livre para assinar com qualquer clube - além do Palmeiras, o Racing deverá vir forte para tentar levar o comandante técnico de volta para a Argentina.

Sampaoli esteve reunido com representantes na quarta para falar sobre a saída do Santos e o interesse palmeirense. Na conversa com o presidente do "Verdão", o treinador escutará que o Palmeiras não pretende se envolver na briga jurídica entre o treinador e seu ex-clube - assim como não se vê em condições de bancar os cerca de R$ 2 milhões mensais inicialmente pedidos para o técnico e seus auxiliares.

No entanto, o clube da capital paulista está confiante em conseguir contratar o treinador, mas também está convencido a não fazer loucuras financeiras. Por esse motivo, cogita outros nomes, mantidos em sigilo: são dois estrangeiros e um brasileiro.

Enquanto isso, Sampaoli inicia uma briga jurídica com o Santos. O profissional em questão argumenta que não pediu demissão do clube, e que, portanto, não tem multa rescisória a pagar. Na ação que move na justiça contra o "Peixe" ele argumenta a falta de pagamento do FGTS e por esse motivo pede a rescisão de contrato com o referido clube.