Um recuo estratégico ou financeiro? O certo é que o Palmeiras um dia após o São Paulo comunicar a desistência por Rafael Santos Borré, do River Plate, comunica que por conta das incertezas causadas pela pandemia e do cenário econômico, decidiu dar um passo atrás nas negociações com o colombiano.

Irresponsabilidade prosseguir

Na visão da direção "alviverde", seria muita irresponsabilidade prosseguir com uma negociação com valores considerados altos demais e que poderiam logo ali à frente, afetar a parte financeira, principalmente neste momento em que o país atravessa com a pandemia, que deixa em dúvida a sequência do futebol na temporada.

Mesmo com Borré dando sinal verde para uma possível vinda ao clube brasileiro, o Palmeiras optou por recuar nas negociações, mas não descarta totalmente um acerto, mas com outros valores e não os colocados pelos empresários do atleta, que são considerados irreais para o atual momento do futebol brasileiro.

Valor do Dólar

Um dos maiores motivos pelo recuo palmeirense na busca por Santos Borré foi quanto à alta da moeda norte-americana com relação ao Real, lembrando que os contratos com jogadores estrangeiros geralmente são feitos em Dólar, como seria o caso do jogador colombiano e poderia num futuro muito próximo gerar problemas. Hoje a moeda está avaliada em mais de R$ 5,50.

A direção palmeirense garante que não cometerá loucuras na busca por reforços, onde diante das condições atuais, seria irresponsável financeiramente contratar Borré.

Santos Borré e River Plate

O atacante tem contrato válido com o time argentino até junho deste ano, estando esse livre para assinar um pré-contrato com qualquer clube de seu interesse, mas podendo se apresentar somente a partir do segundo semestre deste ano. Para tê-lo agora, o Palmeiras teria que pagar uma compensação ao River Plate, outro motivo do recuo "alviverde", que seguirá de olho no jogador, mas buscando acerto com outros valores; aguardemos!