Depois de muitas especulações, o martelo está batido. De acordo com comunicado emitido pela NBA, maior liga de basquete do mundo, a decisão foi tomada em acordo com os jogadores, que após boicotarem a rodada da última quarta-feira (26), optaram por prosseguir a temporada. As manifestações aconteceram após mais um episódio de violência contra negros nos EUA. De origem negra, o basquete é um dos principais veículos americanos de combate a desigualdade racial no país.

Vale lembrar, entretanto, que as partidas que aconteceriam nesta quinta-feira, estão adiados, mesmo com a decisão de retomada da competição. As partidas entre Utah Jazz x Denver Nuggets; Toronto Raptors x Boston Celtics; e Dallas Mavericks x LA Clippers, não acontecerão, e ainda não tem data definida. Ainda existe a possibilidade dos jogos retornarem na próxima sexta-feira, e uma nova reunião deve acontecer, com dois representantes de cada equipe ainda nesta quinta-feira, para definir a situação.

Mesmo que ainda não tenha públicado nenhuma nota oficial, a NBA publicou em seu site oficial informações do repórter da ESPN Internacional, Adrian Wojnarowski, em que o jornalista informa os bastidores e as decisões tomadas na primeira reunião após o ocorrido.

Principal jogador da liga atualmente, o astro Lebron James, que é uma das principais vozes na luta contra o racismo, votou pela paralisação da temporada, assim como o Los Angeles Lakers, time de Lebron, e o LA Clippers. Um novo encontro foi marcado na manhã desta quinta-feira para discutir as possibilidades.

As manifestações antirracismo envolvendo o basquete nos EUA está muito longe de ser novidade. O caso mais recente e impactante envolveu o assassinato de George Floyd, que foi morto por um policial em Minneapolis, gerou uma onda de protestos ao redor do mundo. Diversos jogadores da liga se envolveram nelas, e com o retorno da NBA, "Black Lives Matter" ("Vidas Negras Importam") apareceu estampada nas quadras, bem como palavras de justiça social nas camisas dos atletas, além do famoso gesto de se ajoelhar durante a execução do hino nacional dos Estados Unidos.