O novo formato do Mundial de Clubes - organizado pela FIFA, continua rendendo discussões; principalmente pelo lado europeu, que de acordo com as últimas informações vindas do "Velho Continente", esses querem um número maior de participantes de seu continente nesta competição, que terá um novo formato a partir de 2021.

Segundo informações vindas da Europa, representantes de Barcelona, Liverpool e Juventus estiveram reunidos na última semana na sede da entidade máxima do futebol, em Zurique, para discutir a participação dos times do "Velho Continente" na primeira edição do novo formato do Mundial de Clubes, que ocorrerá a partir de 2021, na China.

O torneio em questão está passando por uma "crise" diplomática, onde de um lado está a FIFA e do outro lado a Europa e América do Sul - representadas por UEFA e CONMEBOL.

Conforme reportagem publicada pelo jornal "The New York Times", na semana passada, os clubes europeus querem se associar a FIFA neste torneio, ou seja, eles querem receber um número maior de participantes comparado a outros continentes; passando de 8 para 12 participantes.

Preocupados com sua principal competição - a Champions League, a ECA (associação dos clubes da Europa) faz duras exigências a FIFA sobre o novo torneio em questão, o que tem aumentado as tensões entre a FIFA e UEFA.

Após uma reunião entre a associação acima cita e a entidade máxima do futebol mundial, a FIFA contratou uma empresa de consultoria financeira especializada em fechar grandes negócios nas áreas do esporte e do entretenimento - fazendo com que o Mundial de Clubes consiga alcançar US$ 1 bilhão - cerca de R$ 4,4 bilhões para bancar todos os custos da competição, incluindo o aumento na premiação aos europeus.

Infantino - presidente da FIFA quer que essa competição em destaque alcance a mesma importância da Copa do Mundo de Seleções, o que por sua vez ameaçaria a Champions League - hoje tida como a segunda competição com maior importância no mundo do futebol e ai que entre o grande "conflito".

Já em relação à CONMEBOL, a FIFA não concorda com os critérios de classificação ao Mundial de Clubes adotado pela entidade - a FIFA quer que a entidade sul-americana classifique suas equipes via Copa Libertadores, enquanto a CONMEBOL quer também prestigiar os campeões da Copa Sul-Americana.

Essa tensão entre as federações acima citadas aumento ainda mais nas últimas semanas, depois da UEFA e CONMEBOL terem se reunido e ter passado a discutir a possibilidade de um "minitorneio de seleções" a ser disputado a partir de 2022; o que para a FIFA é uma afronta, tanto que a entidade máxima do futebol mundial chegou a cancelar uma reunião de seu Conselho marcada para ocorrer no Paraguai, o que deixou a entender por parte da federação sul-americana como uma espécie de retaliação, chegando inclusive a reclamar oficialmente a FIFA como forma de "discriminação".

Essa "batalha" promete ir longe entre o entendimento de alguns assuntos sobre o novo formato do Mundial de Clubes - onde a UEFA exige um maior número de participantes e a CONMEBOL entende que pode escolher a forma de classificação de seus representantes para tal competição.

Troféu do Mundial de Clubes.
Troféu do Mundial de Clubes.