A FIFA definiu nesta terça-feira, 17 de novembro, em Zurique na Suiça, que o Mundial de Clubes da edição 2020 vai ocorrer somente em fevereiro de 2021, no Catar. A entidade máxima do futebol confirmou que a competição que vai reunir 7 times, campeões continentais e do país sede, foi marcada agora para fevereiro após a pandemia da covid-19. Esta deve ser a última edição nesse formato, que terá um novo desenho a partir de 2021, com mais equipes.

A Fifa confirmou que o Mundial de Clubes 2020 ocorrerá entre 1° e 11 de fevereiro do ano que vem, no Catar.

Segundo o calendário, o campeão da Libertadores vai estrear já no dia 7 de fevereiro - dia 30 de janeiro será a grande final em jogo único no Maracanã. Caso algum time brasileiro vença o torneio continental pode ter problemas em outros campeonatos, visto que no mês de fevereiro ocorrerão ainda as últimas 5 rodadas do Brasileirão.

Para piorar, a final da Copa do Brasil irá ocorrer nos dias 3 e 10 de fevereiro. Assim, caso um brasileiro vença a Libertadores dificilmente conseguirá jogar as outras 2 competições nacionais com seu time principal, ou terá que abrir mão de disputar as semifinais do Mundial com o time titular.

Novo Mundial de Clubes

A FIFA ainda não confirmou, mas o novo Mundial deve ter 24 times e será jogado na China. O novo torneio gerou algumas resistências da Uefa e da Conmebol, mas Gianni Infantino, presidente da Fifa, quer realizar o novo torneio ano que vem.

O amplo favoritismo dos europeus nas últimas edições do torneio fez a FIFA rever o modelo de disputa. Assim, agora mais times europeus devem participar - a quantidade de vagas por continente ainda não foi definida por nenhuma confederação.

Na edição de 2019, o Flamengo que venceu a Libertadores, perdeu a decisão do Mundial de Clubes para o Liverpool, campeão da UEFA Champions League na prorrogação, por 1 a 0, gol de Roberto Firmino. O título dos Reds foi o 12º dos europeus das últimas 13 edições da competição, mostrando a disparidade entre os times daqui e de lá.

Com a criação do atual modelo, lá em 2005, foram 15 disputas de mundiais e somente três delas vencidas por sul-americanos (São Paulo em 2005, Internacional em 2016 e Corinthians em 2012); as outras 12 ficaram nas mãos de clubes europeus.