Messi abre sua casa para falar da Copa e de Neymar

Sobre a atual competição que terá início no próximo mês, Messi disse que “um bom Mundial seria terminar entre os quatro melhores”.

Por
Compartilhe

Em uma das poucas entrevistas dadas por Lionel Messi até hoje, o craque do Barcelona e da seleção Argentina – que concedeu uma entrevista exclusiva a uma TV de seu país, falou sobre a Copa do Mundo e também sobre seu “amigo” e ex-companheiro de clube, Neymar.

Messi durante sua entrevista a TyC Sports.Messi durante sua entrevista a TyC Sports.

Sem ser fã de entrevistas, o craque do Barça deixou de lado a timidez e recebeu em sua casa, em Barcelona, o canal de TV argentino “TyC Sports” para um bate papo e que foi divulgado nesta última terça-feira. Durante a conversa, o camisa 10 argentino falou sobre seus prêmios individuais, dos títulos conquistados e da expectativa sobre o Mundial; além desses assuntos, também foi falado a respeito da possibilidade de rever seu amigo Neymar, no Real Madrid.

Por dentro das últimas informações do “mercado da bola”, Messi declarou ao canal de TV argentino que seria “uma lástima”, ver Neymar defendendo as cores do clube merengue.

“Ver o Neymar no Real Madrid seria uma lástima, por tudo que significou para o Barcelona. Seria um golpe terrível para a torcida catalã”, declarou o craque argentino e ex-companheiro de Neymar por quatro temporadas no Barça.

Sobre o Mundial, Messi que junto com a seleção de seus país foi vice-campeão da última edição da Copa do Mundo, em 2014, no Brasil, lamentou muito que a torcida da Argentina prefira criticar a seleção, do que apoiá-la.

“Acredito que o que vem acontecendo só passa na Argentina. Em qualquer outra parte do mundo, qualquer seleção que chega a três finais seguidas – Copa do Mundo e duas Copa América, é valorizada e respeitada pelo que fez. Nós, não. Nós somos uns cagões, somos frios. Só falam que chegamos as finais mas nunca conseguimos”, declarou ele.

Sobre a atual competição que terá início no próximo mês, Messi disse que “um bom Mundial seria terminar entre os quatro melhores”.

“Nesta última década, sentimos que temos essa obrigação de ganhar, só que não é assim. Não temos nenhuma obrigação com ninguém. Um bom “Mundial” seria estar entre os quatro melhores. Podemos estar aí, pela história que temos. Estivemos em três finais e perdemos. É um peso que temos que carregar”, finalizou ele.

Comentários