Um dos jogadores mais valorizados do futebol sul-americano nas últimas temporadas, o atacante Éverton, do Grêmio, segue na mira dos grandes clubes do futebol europeu. Após ser tratado como alvo forte do Everton, da Inglaterra, outro clube do futebol do "velho continente" entrou na briga pela contratação do camisa 11 tricolor: Trata-se do Borussia Dortmund, da Alemanha.

O clube alemão aproveitou a paralisação do futebol por conta da pandemia do novo Coronavírus para avaliar o mercado, e com isso, realizou sondagens com o empresário do jogador, além de dirigentes do Grêmio. Vale lembrar que o Everton, da Inglaterra, segue na disputa e entende que Éverton pode ser "a grande contratação" dos últimos anos.

Pelo lado dos ingleses, o técnico Carlo Ancellotti pode ser o grande trunfo. Isso porque, na última janela de transferências, o treinador italiano ligou para o próprio jogador, com o intuito de levá-lo para a Premier League. Pelo lado dos alemães, a ideia é aproveitar a parada do futebol para vencer os concorrentes, sabendo que o número de interessados pelo "Cebolinha" é grande.

Éverton é o mais novo alvo do Borussia Dortmund, da Alemanha. (Foto:Divulgação)
Éverton é o mais novo alvo do Borussia Dortmund, da Alemanha. (Foto:Divulgação)

O grande trunfo do Borussia Dortmund consiste no poder financeiro. Isso porque os alemães devem contar com um aporte financeiro de cerca de 150 milhões de euros, tendo em vista que devem efetuar a venda de Jadon Sancho, que está de saída. Ao que tudo indica, o atacante inglês deve ir ao Manchester United, e gerar receitas aos alemães.

No ano passado, o Beijing Guoan, da China, tentou a contratação de Cebolinha por empréstimo com opção de compra. O Milan também fez uma oferta, considerada baixa pelo Tricolor. Outros clubes europeus, como Napoli, da Itália, e Atlético de Madrid, da Espanha, também fizeram consultas, mas não avançaram nas tratativas.

Principal nome do time do Grêmio desde o ano de 2018, Éverton tem contrato com o time gaúcho até 2023. Sua multa rescisória estabelecida em contrato é de 120 milhões de euros (cerca de R$ 682 milhões na cotação atual).