Após a notícia de que o Flamengo fez uma proposta oficial pelo atacante Pedro, do Fluminense, muito se especulou que o tricolor das Laranjeiras estabeleceria um preço para se desfazer de seu principal jogador. Entretanto, o clube resiste em negociar o atacante por um valor abaixo da multa rescisória e este tipo de postura adotada pelo Fluminense está longe de ser novidade para o Flamengo.

Situação parecida aconteceu com Henrique Dourado, que após grande temporada em 2017 pelo Flu, acabou se transferindo para o Flamengo. Mesmo com a mudança de diretoria no rubro-negro, a estratégia usada para contratar Pedro deve ser similar. O Flamengo aposta na paciência e na flexibilidade do rival, tendo em vista o caótico momento financeiro do Fluminense para fazer o clube aceitar uma proposta que seja abaixo da multa rescisória de Pedro, que é de cerca de 50 milhões de euros ( aproximadamente 200 milhões de reais). Com força econômica muito maior, o Flamengo aposta também em uma proposta salarial muito acima do que o jogador recebe atualmente como um fator de atração. A primeira proposta do Fla foi por 70% dos direitos econômicos do atacante, mas o clube da Gávea é flexível quanto a esse percentual por valor semelhante ao oferecido.

 Mesmo que a diretoria do Fluminense também seja nova, o que antes era um desejo de manter Pedro por mais tempo, agora se torna uma grande possibilidade de tirar o clube do caos finnanceiro, pelo menos momentaneamente. Entretanto, a ideia principal dos dirigentes do Flu é de negociar o jogador com o futebol europeu, para não desagradar a torcida, reforçar um rival e agradar o estafe do atleta. 

A estratégia do Fluminense é aguardar a abertura da janela de transferências internacionais para os principais centros europeus em julho na esperança de receber uma boa proposta. Em 2018, o clube chegou a recusar ofertas de até 20 milhões de euros, e tinha uma negociação encaminhada com o Real Madrid, interrompida em razão da grave lesão no joelho direito sofrida pelo atacante.