O duelo entre Boca Juniors e Santos, válido pelo jogo de ida da semifinal da Copa Libertadores da América, na última quarta-feira (6), segue sendo alvo de muita polêmica. O possível pênalti não marcado em Marinho, no segundo tempo da partida, foi o principal assunto de reclamação do clube e da comissão técnica do Peixe.

Como já é habitual, a Conmebol divulgou o áudio do VAR da partida. A entidade máxima do futebol sul-americano, já há algum tempo, sempre divulga os áudios e as imagens utilizadas para análises de lances polêmicos, e que são necessários para checagem de vídeo.

No caso do duelo no estádio La Bombonera, o árbitro da partida, o chileno Roberto Tobar, sequer foi chamado pela equipe de vídeo para análise da entrada de Isquierdoz sobre Marinho. O fato da equipe de vídeo sequer convocar o árbitro de campo para análise gerou revolta por lado do time brasileiro. Confira abaixo o material divulgado pela Conmebol:

Santos enviou ofício à Conmebol

Após a polêmica, o Santos, por via de seus canais oficiais de comunicação, no início da manhã desta quinta-feira (7), que irá enviar um ofício, contestando a decisão, que segundo o clube, teria sido um erro claro por parte do árbitro da partida. Ainda no comunicado do Peixe, a atitude da equipe do vídeo "causou estranheza".

No final da partida, ainda dentro do campo, o atacante do Santos, Marinho, comentou sobre o lance, e se mostrou revoltado pelo fato do lance ter sido "ignorado" pelo VAR:

"Fui tocado dentro da área. Não sei porque árbitro não foi olhar o vídeo. Tranquilo, o importante é conseguir um resultado aqui. Poderíamos ter vencido, mas jogar contra o Boca é muito difícil. O importante é não perder. Fizemos grande jogo, queríamos a vitória, mas o empate é bom resultado e temos que fazer um grande jogo em casa." comentou.

Lance polêmico foi repercutido pela imprensa argentina

Mais do que a revolta do Santos, o lance polêmico também foi repercutida na imprensa argentina. O jornal "Olé", um dos principais portais do país, declarou que o Santos teria sido prejudicado, alegando erro claro da arbitragem da partida.

Oficialmente, a Conmebol ainda não tomou posição sobre a polêmica. A tendência é de que um comunicado oficial seja divulgado pela entidade após recebimento do ofício por parte do clube brasileiro.