O que esperar da primeira Libertadores de final única

Conmebol espera transformar final única da Libertadores da América em grande show. Será que a decisão única favorece os times ou piora a competição? O Brasil conta com 6 representantes

Por Redação
Compartilhe

A emoção de disputar uma Libertadores da América é algo inexplicável. Toda a tradição e rivalidade são colocadas à prova nos principais gramados da América do Sul. É onde os principais clubes do continente se encontram na busca do tão desejado troféu.

Para esta temporada, a novidade está na grande decisão. A final será em jogo único e em um estádio neutro, pré-definido pela Conmebol. Nesta edição, o jogo do título será no Estádio Nacional, em Santiago, no Chile. Esta nova fórmula de disputa será mantida, pelo menos, até 2022.

Libertadores da América

A mudança é uma estratégia da Conmebol, que planeja dar mais visibilidade para o futebol da América do Sul. “Queremos potencializar o desenvolvimento do futebol sul-americano com novos recursos, novos investimentos e padrões. Além de gerarem receitas para serem reinvestidas, as finais únicas serão uma grande oportunidade para todo continente dar um grande salto de infraestrutura, organização de eventos, controle de segurança e comodidade nos estádios”, disse o presidente da Conmebol, Alejandro Domínguez.

A ideia é repetir sucessos da NFL e da Liga dos Campeões. Os torneios são finalizados com uma decisão única e em campo neutro. O jogo vira uma atração a parte, com benefícios para os clubes, para a cidade-sede e também para a entidade.

Nem tudo são flores

A reclamação vem das torcidas, que acabaram prejudicadas com essa mudança. O fato de ter que desembolsar altos valores para ver seu clube em outro país foi muito criticado pelos fãs da competição. Diferentemente da Europa, por exemplo, que as cidades são próximas e o trem facilita o transporte, na América do Sul, a distância é maior e o meio de transporte mais rápido seria o avião, complicando cada vez mais a presença da torcida no estádio.

Por exemplo: se o Grêmio se classificar para a final, seu torcedor terá que desembolsar cerca de R$ 1000,00 para ir até Santiago, isso apenas contando a passagem área. Se contar a entrada e a hospedagem, esse valor só aumenta. Isso deve mudar o perfil dos torcedores na grande final.

Além disso, a falta de organização da entidade e o estado precário dos estádios também preocupam os torcedores. Para receber a grande final, Santiago terá que se preparar. Segurança, acessibilidade, mobilidade são algumas das exigências para realizar uma grande final. O objetivo é evitar o que aconteceu na última Libertadores, quando a torcida do River Plate protagonizou um dos momentos mais lamentáveis da história da competição, apedrejando o ônibus do Boca Juniors e causando o caos nos arredores do estádio Monumental de Nuñes. Resultado: competição manchada e final transferida para a Espanha.

Decisão da Libertadores da América já foi em campo neutro

Apesar da polêmica, a Libertadores da América já teve algumas decisões em campo neutro. Entre 1960 a 1987, o regulamento da competição previa um terceiro jogo, em campo neutro, se as duas partidas da decisão terminassem empatadas.

Foi assim que o Santos conquistou sua primeira Libertadores ao bater o Peñarol por 3 a 0, no Monumental de Nuñes, em Buenos Aires, na Argentina. O mesmo aconteceu com o Cruzeiro, que venceu o River Plate na decisão de 1976, disputada no Estádio Nacional, em Santiago - mesmo palco da final de 2019. O título do Flamengo, em 1981, foi no Estádio Centenário, em Montevidéu, diante do Cobreloa, do Chile.

O regulamento da Libertadores da América mudou a partir de 1988 quando a final era realizada em duas partidas, com decisão de pênaltis após uma igualdade na combinação dos placares.

A competição mantém a fórmula de disputa

No geral, a Libertadores da América 2019 terá a mesma fórmula de disputa do ano passado, com exceção da final única. A fase pré-Libertadores já começou com os primeiros jogos. Atlético-MG e São Paulo são os representantes brasileiros neste classificatório. Eles precisam passar por dois adversários para garantirem presença na fase de grupos.

Em março se inicia a primeira fase com 32 clubes divididos em oito grupos. Palmeiras, campeão brasileiro, Flamengo, vice-campeão brasileiro, Internacional, terceiro colocado e Grêmio, quarto do nacional, entram na disputa juntamente com o Cruzeiro, campeão da Copa do Brasil e o Athletico Paranaense, campeão da Copa Sul-Americana. Os dois melhores de cada grupo avançam para as oitavas de final. Na fase seguinte, a Conmebol realiza um sorteio de define o chaveamento. A grande final será no dia 23 de novembro.

Libertadores feminina

A Libertadores da América de futebol feminino também é um dos destaques dessa temporada. Em sua décima edição, o torneio ganha importância pela vitrine que representará ao futebol brasileiro. Com a obrigação dos times nacionais de criarem seus elencos femininos para temporada, a briga pelo título do Campeonato Brasileiro e pela vaga na Libertadores de 2020 será mais acirrada. Vitória da modalidade, que começa a ganhar espaço no Brasil.

Na Libertadores da América deste ano, o Brasil será representado pelo Corinthians, atual campeão brasileiro feminino. As meninas do Timão buscam o bicampeonato. A competição ainda não tem data para começar, mas deverá ocorrer no segundo semestre, depois da Copa América.

Além do Corinthians, o São José (três vezes), o Santos (duas vezes) e a Ferroviária já venceram a competição.

Torcedor: compartilhe
Siga nas redes
Comentários
Carregar comentários
Assista ao nosso último vídeo:
Inscreva-se no canal