Está tudo decidido e definido. Pelo menos ao entendimento da Conmebol, que nesta última quinta-feira voltou a se manifestar em relação aos últimos acontecimentos em relação à final da Libertadores-2018 - que até agora não "terminou".

Com o ato de vandalismo por parte da torcida do River Plate no último sábado contra o ônibus da delegação do Boca Juniors próximo ao portão de entrada do estádio Monumental de Núñez, na Argentina, onde alguns atletas dos "Xeneizes" acabaram sendo atingidos por estilhaços de vidros e consequentemente feridos; adiando assim a grande decisão do torneio e causando alguns transtornos para a entidade máxima do futebol na América do Sul (sem falar na vergonha mundial), onde os dois clubes entraram com pedidos junto ao tribunal da Conmebol, a mesma decidiu então punir os "Vermelhos Argentinos", não dar a taça para os "Xeneizes" e de quebra marcar a partida final da competição para Madri, na Espanha.

O Tribunal de Disciplina da Conmebol anunciou no dia de ontem, quinta-feira, que negava ali um pedido do Boca que queria ser declarado campeão da Libertadores, além disso, multou o River em US$ 400 mil e ainda puniu o clube com dois jogos com portões fechados em 2019. De quebra como já declaramos acima, anunciou que a segunda partida da final da Libertadores será disputada no estádio "Santiago Bernabéu", em Madri, na Espanha, no dia 9 de dezembro, às 17h30 (no horário de Brasília).

A decisão da Conmebol em transferir a partida decisiva da Taça Libertadores para fora da Argentina, foi motivada por segurança e Madri foi escolhida como o destino da grande decisão por recebe uma quantia enorme de vôos da América do Sul e também por conta de uma enorme presença de argentinos no país.

As informações sobre as vendas dos ingressos para a decisão da Taça Libertadores da América serão disponibilizados nos próximos dias no site oficial da Conmebol. Assim sendo, acabou por hora a novela Conmebol, Libertadores, Argentinos.